Milho transgênico da Monsanto pode estar perdendo efeito

Variante está sofrendo ataque de pragas em quatro estados dos Estados Unidos, alertou Agência de Proteção Ambiental americana

AE |

selo

Getty Images
Sementes da Monsanto em armazém no Missouri: praga está desenvolvendo resistência ao milho modificado
Uma variedade de milho geneticamente modificada pela Monsanto para resistir ao ataque de lagartas da raiz pode estar perdendo efeito e o monitoramento da companhia a respeito do assunto não tem sido suficiente, de acordo com pesquisadores da Agência de Proteção Ambiental (EPA, por sua sigla em inglês) dos Estados Unidos.

Leia também:
Cultivo de transgênicos no mundo cresceu 10% em 2010

Transgênicos podem afetar borboleta monarca
Transgênicos se consolidam na alimentação humana
Greenpeace destrói plantações experimentais de trigo transgênico na Austrália
Estudo vai medir impacto ambiental de transgênicos na América Latina

De acordo com o The Wall Street Journal, em um memorando publicado em 22 de novembro os pesquisadores concluíram que a Monsanto precisa reforçar seu programa de monitoramento agora que há suspeitas de as lagartas da raiz estarem desenvolvendo resistência ao milho transgênico da companhia.

Sinais de resistência foram encontrados em quatro estados do Meio-Oeste americano: Iowa, Illinois, Minnesota e Nebraska. A agência não chegou a declarar que a resistência das lagartas ao milho foi confirmada.

Apesar disso, os pesquisadores disseram que a suspeita de resistência os levou a avaliar com mais rigor o atual programa de monitoramento da Monsanto. Eles concluíram que o programa "é ineficiente e provavelmente não identificou eventos iniciais de resistência".

A lagarta da raiz é uma das principais pragas das lavouras de milho. O WSJ informou em agosto que pesquisadores das universidades de Iowa e Illinois descobriram que lavouras cultivadas com o milho em questão estavam, inexplicavelmente, muito danificadas pela lagarta da raiz.

Os pesquisadores da EPA, entre outras coisas, disseram no memorando que a Monsanto deve iniciar pesquisa de campo aos primeiros sinais de danos causados por insetos. Nenhum pesquisador da agência estava disponível para comentar o memorando.

A Monsanto, que alega que o problema envolve apenas uma pequena fração das lavouras plantadas com o milho neste ano, disse que a avaliação da EPA é séria, mas que seus atuais procedimentos de monitoramento são completos.

A companhia foi a primeira a vender sementes modificadas para resistir à lagarta da raiz, em 2003. A semente contém um gene de um microrganismo do solo que produz uma proteína chamada Cry3Bb1, que tem a capacidade de matar a lagarta. As informações são da Dow Jones.

    Leia tudo sobre: alimentos transgênicosmilhopragas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG