Mente vazia, casa da infelicidade

Estudo da Universidade de Harvard mostra que a mente divaga em 46,9% do tempo de vigília e isso leva a sensações infelizes

Alessandro Greco, especial para o iG |

Divulgação/Science
A pesquisa foi feita com um aplicativo para iPhone que registrava as ações dos voluntários e seu nível de felicidade
A ciência acabou de comprovar mais um provérbio popular: “Mente vazia, oficina do diabo”. O pior é que as pessoas passam boa parte de suas vidas nela. Pesquisadores da Universidade de Harvard publicaram nesta quinta-feira estudo na revista Science em que mostram que em 49,6% do tempo em que se passa acordado, a mente está divagando (vulgo, pensando em alguma outra coisa que não a tarefa do momento) e o resultado é infelicidade.

Os psicólogos Matthew Killingsworth e Daniel Gilbert usaram um aplicativo para iPhone para coletar 250 mil dados sobre pensamentos, sensações e ações de 2.250 pessoas. Na pesquisa, os voluntários recebiam perguntas do tipo quão feliz eles estavam, o que estavam fazendo e se estavam pensando em sua atividade atual ou outra coisa que fosse prazerosa, neutra ou desagradável. “Descobrimos que divagar produz infelicidade mesmo nas atividades menos prazerosas e que divagar com um pensamento prazeroso não aumenta a felicidade.”, afirmou Killingsworth ao iG . ”A pesquisa mostrou também que os momentos em que estamos mais felizes é quando estamos produtivos (como conversando, se exercitando ou fazendo amor) e os menos felizes são aqueles em que descansamos, trabalhamos ou usamos o computador em casa."

Os resultados estão de acordo às tradições filosóficas e religiosas que ensinam que a felicidade é encontrada ao vivermos no momento e seus praticantes são treinados a resistir à divagação e a estar no aqui e agora, como a meditação e yoga. “No artigo, sugerimos que eles estão certos”, afirmou Killingsworth.

Essa capacidade de pensar no futuro e no passado é única da espécie humana, e os autores da pesquisa afirmam “pensar no que não está acontecendo é uma conquista cognitiva que vem com um custo emocional”. Atualmente mais de 5 mil pessoas, de 18 a 88 anos em 83 países estão usando o aplicativo desenvolvido pelos pesquisadores, que pode ser encontrado em www.trackyourhappiness.org .

Agora, a pergunta que fica é: por que divagamos tanto? “É uma boa questão, mas nossa pesquisa não pode dizer nada sobre isso”, completa o psicólogo.

    Leia tudo sobre: psicologiafelicidadeaplicativos para iPhone

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG