Menina de 10 anos é a mais jovem descobridora de uma supernova

A canadense Kathryn Gray descobriu explosão de estrela a 240 milhões de anos-luz da Terra

BBC Brasil |

selo

AP
Kathryn Gray, de dez anos, posa ao lado do telescópio da família, no Canadá. Ela descobriu a supernova supervisionada por seu pai, um astrônomo amador
Uma menina canadense de dez anos de idade se tornou a pessoa mais jovem até hoje a identificar uma supernova - estrela que, ao explodir, brilha intensamente até perder luminosidade.

Kathryn Gray estava estudando imagens obtidas em um observatório amador, no último domingo, quando notou uma supernova. As fotos haviam sido mandadas para seu pai, Paul Gray, um astrônomo amador, que ajudou Kathryn a fazer a descoberta, descartando que se tratasse de um asteroide e verificando a lista de supernovas já conhecidas.

A descoberta foi averiguada e registrada pela Sociedade Real de Astronomia do Canadá (RASC, na sigla em inglês), que considerou Kathryn a pessoa mais jovem que se tem conhecimento a conduzir tal feito. "Estou muito empolgada. É uma ótima sensação", disse à menina ao jornal canadense Star. "É fantástico que alguém tão jovem demonstre paixão pela astronomia. Que descoberta incrível", disse Deborah Thompson, da RASC.

AFP
Imagem infravermelha da galáxia Camelopardalis, onde Kathryn descobriu a explosão estelar
Eventos raros

A supernova - batizada de 2010lt - foi descoberta na galáxia UGC 3378, a cerca de 240 milhões de anos-luz de distância, na constelação de Camelopardalis.

Eventos raros, as supernovas consistem em explosões que marcam a morte violenta de estrelas maiores que o Sol.

Para identificar esses eventos é preciso observar imagens antigas de campos estelares e compará-las com imagens novas. A supernova se revela como um ponto mais brilhante que estrelas comuns, por isso, pode ser vista por meio de um telescópio simples.

Os eventos interessam aos astrônomos "porque produzem a maioria dos elementos químicos que fizeram a Terra e outros planetas e porque supernovas distantes podem ser usadas para estimar o tamanho e a idade do Universo", diz a RASC em um comunicado.

    Leia tudo sobre: supernovacriançasastronomia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG