Virgin Airlines quer usar etanol brasileiro em seus aviões

Para Richard Branson, dono da companhia, empresários devem investir parte do lucro em pesquisas para reduzir emissões de carbono

Maria Fernanda Ziegler, enviada a Manaus* |

Ag.News
Richard Branson durante evento em Manaus: busca por combustíveis limpos
O empresário britânico Richard Branson, dono da Virgin Airlines e mais de 300 empresas, está empolgado com o combustível verde que pode usar em seus aviões. Branson está no Fórum Mundial de Sustentabilidade, que acontece até sábado em Manaus, e falou de forma rápida e direta sobre desafio de combater o aquecimento global trabalhando em uma área tão poluente como a aviação comercial.

Leia também:
Dono da Virgin quer voar para o Brasil
Construções olímpicas precisam ser pensadas para depois dos jogos
Estrelas do meio ambiente relegadas a segundo plano em Manaus
Schwarzenegger diz que é preciso aprender com erros ambientais
Especial: Construção da usina de Belo Monte mobiliza população da região de Altamira
Ex-governador da Califórnia chega a Manaus e sobrevoa Rio Xingu

Para ele a solução é investir em pesquisas para combustíveis que poluam menos. “Todos os lucros das empresas aéreas são destinados ao estudo de combustíveis limpos, em cinco anos estaremos usando isso. Além disso, criamos prêmios para países que tiveram o melhor desempenho em redução de carbono e também as melhores iniciativas para reduzir o carbono na atmosfera”.

Branson elogiou o etanol brasileiro e se disse estar interessado em criar joint-ventures com empresas brasileiras para o uso do combustível. Para ele, o Brasil poderia chegar a até 100% do uso de etanol, já para outros países seria ideal o uso de carros elétricos.

O empresário não divulgou quanto de carbono suas empresas liberam na atmosfera, embora afirme fazer este cálculo. “Nós temos que admitir que as emissões de carbono são consideráveis, elas são muito altas, pois temos três companhias aéreas e ainda as de trens”, disse.

Para ele é um erro não investir em medidas sustentáveis nas empresas. “Se todas empresas investissem 1% do lucro no combate ao aquecimento global teríamos grandes resultados”, disse.

*A repórter viajou a convite da organização do evento.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG