Vídeo: Hungria diz que limpeza de lama tóxica deve demorar um ano

O derramamento de lama já é considerado o maior acidente químico da história do país

BBC Brasil |

selo


O governo da Hungria disse nesta quarta-feira que precisará de milhões de dólares e de pelo menos um ano para limpar as cidades atingidas pela enchente de lama tóxica no país.

Equipes de emergência estão tentando evitar que o material tóxico, que escorreu de uma usina química, chegue até os principais rios do país, incluindo o Rio Danúbio.

A Hungria declarou estado de emergência em três municípios na última terça-feira, quando o material se espalhou. Três pessoas já morreram e 120 ficaram feridas.

O ministro do Meio Ambiente, Zoltan Illes, disse à BBC que o governo deve precisar de assistência técnica e financeira da União Europeia para limpar as sete vilas e cidades em estado de emergência.

“A área é muito grande a contaminação foi muito pesada. Precisamos de recursos humanos e de máquinas”, afirmou.
Illes disse ainda que será preciso remover uma camada de solo de dois centímetros de toda a região atingida pelo derramamento.

Rompimento
A mistura de água e resíduos químicos, incluindo metais pesados, escapou após o rompimento de um reservatório e se espalhou pelo oeste do país.

Cerca de 700 mil metros cúbicos de lama escaparam da usina, que fica a 160 km da capital Budapeste. Sete mil pessoas já foram afetadas pelo desastre.

Pelo menos 390 moradores foram retirados de suas casas e 110 foram resgatados de locais inundados, de acordo com o Diretório Nacional Geral para Administração de Desastres da Hungria (NDGDM). Outras seis pessoas estão desaparecidas.

O derramamento de lama já é considerado o maior acidente químico da história do país.
Sem previsão
A lama estava em um reservatório na usina Ajkai Timfoldgyar, na cidade de Ajka. Attila Nyikos, do NDGDM, disse à BBC que uma investigação policial já foi aberta, e que testes devem determinar o impacto ambiental da enchente de lama.

Em comunicado oficial, a empresa MAL Rt, responsável pelas instalações, disse que a última inspeção feita no reservatório não detectou sinais de perigo. Eles afirmaram ainda que, pelos padrões europeus, a lama não era considerada perigosa.

No entanto, o prefeito da cidade de Devecser, Tamas Toldi, declarou que cerca de 90 pessoas foram enviadas ao hospital local com queimaduras químicas. Em Devecser, a lama chegou a dois metros de profundidade.

De acordo com o correspondente da BBC em Budapeste Nick Thorpe, semanas de chuvas fortes podem ter provocado o rompimento do reservatório.

    Leia tudo sobre: hungrialama tóxica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG