Turbinas eólicas geram energia e muito barulho

Dos 250 novos parques eólicos instalados nos Estados Unidos nos últimos dois anos, cerca de uma dúzia têm gerado reclamações

The New York Times |

Como quase todos os moradores desta ilha na Baía de Penobscot, Art Lindgren e sua esposa, Cheryl, comemoraram a chegada de três turbinas eólicas gigantes no final do ano passado. Isso foi antes delas serem ativadas.

Agora, o casal Lindgren, juntamente com uma dúzia de vizinhos, que vivem a menos de dois quilômetros das turbinas de energia eólica que custaram cerca de US$15 milhões, dizem que o ruído industrial do girar das lâminas de 38 metros está tornando a vida nesta região antes tranquila, insuportável.

Eles estão entre um número pequeno mas crescente de famílias e proprietários de casas em todo o país que dizem ter aprendido de maneira difícil que a energia eólica – uma alternativa limpa aos combustíveis fósseis para gerar eletricidade – tem suas próprias emissões. Processos e queixas sobre o ruído, vibrações e subsequente perda de valor das propriedade surgiram em Illinois, Texas, Pensilvânia, Wisconsin e Massachusetts, entre outros Estados.

A indústria eólica tem sido perseguido por uma minoria vocal com todo o tipo de queixas sobre as turbinas, de reivindicações comuns de que elas arruínam o visual pastoral das paisagens a outras alegações mais elaboradas de que têm impacto direto no bem-estar, como aceleração cardíaca, náuseas e visão turva causadas pelo som de frequência ultra-baixa e vibrações das máquinas. Para as reivindicações mais extremas, há pouco apoio independente.

Dos 250 novos parques eólicos instalados nos Estados Unidos nos últimos dois anos, cerca de uma dúzia têm gerado reclamações de barulho significativo, de acordo com Jim Cummings, fundador do Instituto de Ecologia Acústica, uma central online de informações sobre o problemas ambientais relacionados ao som.

Conflitos semelhantes aconteceram no Canadá, Grã-Bretanha e outros países.

Um tribunal em Rennes, França, ordenou recentemente que uma fazenda de vento de oito turbinas feche entre as 22h e 07h para que os moradores possam dormir.

A fazenda de vento de Vinalhaven goza de apoio entre a maioria dos moradores, desde os adeptos mais radicais de toda energia limpa até aqueles que simplesmente dizem que as turbinas reduziram suas contas de luz. Mas isso não é consolo para Cheryl Lindgren e seus vizinhos, que dizem que seu canto da ilha nunca mais será o mesmo.

"Eu me lembro de um som do silêncio tão palpável, tão implacável em sua profundeza, que quase se podia ouvir seu coração bater de emoção", ela disse. "Agora estamos prisioneiros de emanação sonora. Eu lamento pelo passado".

    Leia tudo sobre: energia limpaenergia eólica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG