Tempestade Bonnie suspende operações da BP no Golfo do México

Ao passar pela Flórida, Bonnie perdeu força, mas deverá se intensificar a partir do meio-dia de sábado, quando entrar no Golfo

AFP |

A iminente chegada da tempestade tropical Bonnie ao Golfo do México determinou a suspensão, esta sexta-feira, das operações da BP na região do poço danificado, onde se originou a maré negra.

Acompanhe a evolução do vazamento do Golfo do México no infográfico do iG


Às 21H00 GMT (18h00 de Brasília), o olho da tempestade estava 55 km ao sul de Fort Myers, na Flórida, e 780 km a leste-sudeste da foz do rio Mississippi. O fenômeno se deslocava a uma velocidade de 30 km/h, com ventos máximos que caíram de 65 para 55 km/h, tornando-se uma depressão tropical, informou o Centro Nacional de Furacões (NHC, na sigla em inglês), com sede em Miami.

A tormenta se intensificará ao entrar novamente no mar, após a passagem pelo território da Flórida, e a partir do meio-dia de sábado, se deslocará sobre o vazamento de petróleo, que se espalha por boa parte do Golfo do México.

Especial: Vazamento de petróleo completa três meses com poucas respostas

Na noite de sábado, se aproximará da costa da Louisiana, gravemente afetada pela contaminação, informaram meteorologistas do NHC.

Prevendo a chegada da tempestade, a gigante petroleira BP anunciou, na sexta-feira, a suspensão temporária "das atividades na região do poço", onde um vazamento provocou a pior catástrofe ambiental da história dos Estados Unidos.

O poço, que havia sido tapado horas antes, "permanece fechado até o momento", informou a BP, assegurando que continuará vigiando o local "sempre e quando o clima permita".

"A duração da suspensão das atividades no poço dependerá do tempo", acrescentou a BP, em alusão à região onde se encontrava a plataforma DeepWater Horizon, que explodiu nas águas do Golfo do México, em 22 de abril, provocando a enorme contaminação.

Thad Allen, encarregado do governo americano na luta contra a maré negra, informou na quinta-feira "que, devido ao risco que representa a tormenta para a segurança de 2.000 trabalhadores que lutam contra a maré negra na região dos poços, muitos barcos e plataformas se preparam para ser evacuados".

"Isto inclui a plataforma de perfuração de poços secundários que permitirão o esvaziamento total do poço", disse.

Allen reconheceu que a evacuação poderá "atrasar os esforços para tapar definitivamente o poço, tarefa na qual se trabalha há dias", mas acrescentou que "a segurança das pessoas na região é nossa maior prioridade".

A evacuação de todos os navios e engenheiros que trabalham na implementação de soluções desenhadas para bloquear o poço danificado - a perfuração de dois poços e uma operação de emergência para injetar uma mistura de líquidos e sólidos, e em seguida de cimento diretamente no poço - provocaria um atraso de duas semanas no trabalho, segundo a agenda apresentada previamente pelas autoridades americanas.

O dispositivo apresentado há uma semana permitiu deter temporariamente o fluxo de petróleo liberado no mar, que se for mantido no local, evitaria piorar a contaminação, disse Allen.

O episódio da maré negra também tem consequências políticas. A Casa Branca anunciou que o presidente Barack Obama, sua esposa, Michelle, e suas duas filhas, passarão as férias do fim de semana de 14 de agosto na Flórida para demonstrar solidariedade com os moradores das regiões afetadas.

Na sexta-feira, acadêmicos americanos, em entrevista à emissora britânica BBC, acusaram a BP de tentar comprar o silêncio dos investigadores para se proteger. A gigante petrolífera negou, no entanto, qualquer "restrição" na comunicação de dados científicos no âmbito de seu programa de reabilitação para o Golfo do México.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG