Supermercado austríaco é condenado por não respeitar direitos das lagostas

Corte Suprema proibiu empresa de vender lagostas e funcionário responsável pela manutenção do animal em um aquário pagará multa

EFE |

 A Corte do Administrativo de Viena, na Áustria, estabeleceu nesta segunda-feira (8) um novo precedente na proteção aos animais ao condenar uma rede de supermercados por não ter respeitado os direitos de boas condições de vida das lagostas que coloca à venda.

As informações foram dadas pelo jornal local "Kurier" depois da confirmação da condenação em última instância, que na Áustria é a Corte Suprema do Administrativo, que proibiu a empresa de vender lagostas. Além disso, o empregado do supermercado responsável pela manutenção dos crustáceos em um aquário foi condenado a pagar multa de 316 euros ou a cumprir dois dias e 13 horas de prisão por ter infringido a lei de proteção aos animais.

O advogado Josef Ferber, do Escritório de Veterinária de Viena, qualificou como um "grande passo" a decisão dos juízes supremos, e espera sentenças similares em quatro outros casos.

As lagostas vivas colocadas à venda no aquário de uma filial da rede de supermercados estavam "em um espaço muito pequeno, sem um solo adequado (pedras ou areia) e sem nenhuma possibilidade de movimentação, com as pinças atadas", destacaram os juízes na argumentação da condenação.

As condições de vida dos crustáceos nos aquários de alguns supermercados e restaurantes são muito diferentes às que encontram no seu habitat natural. No mar, normalmente vivem sozinhas e, durante o dia, costumam se esconder entre as rochas ou em buracos da terra, dos quais saem apenas durante a noite.

    Leia tudo sobre: lagostasproteção aos animais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG