Segunda invasão de rãs em uma semana causa pânico na China

Especialistas e simólogos garantem que a invasão não anuncia terremoto

EFE |

Pela segunda vez em uma semana, um imenso grupo de rãs invadiu uma localidade chinesa, o que gerou uma onda de pânico pela infundada teoria de que as migrações dos animais são indício de um terremoto, informa o jornal "Xin Beijing".

A última praga aconteceu em torno de um lago do distrito de Jiangnin, na cidade de Nankin, quando aproximadamente 100 mil rãs de menos de dois centímetros invadiram as estradas seguindo uma mesma direção.

O jornal pequinês destaca que os animais causaram uma situação de desespero em parte da população a um dia de se completarem dois anos do terremoto de Sichuan, que deixou cerca de 87 mil mortos e desaparecidos.

No último dia 5 de maio, uma invasão de aproximadamente dez mil rãs em Sichuan provocou pânico semelhante entre a população. Especialistas e sismólogos garantem que a teoria não tem fundamento. Yang Jianjun, responsável pela administração local de sismologia, que lembra que Nankin não registra nenhum tremor desde o ano 548, com magnitude 5,25 na escala Richter.

Yang explica que é verdade que antes de um terremoto certos animais podem mostrar um comportamento anormal, mas estes comportamentos nem sempre precedem um abalo, e por isso uma coisa não pode ser vinculada a outra.

Outro especialista, o professor Gao Guofu, da Academia de Ciências Biológicas de Nankin, assinala que se trata de um fenômeno natural: "Há dois dias choveu, o ar está fresco e o tempo ensolarado, por isso é um bom momento para que as rãs saiam para tomar sol". Gao acrescenta ainda que, além disso, os animais necessitam migrar na busca de um novo habitat com alimentos quando deixam sua fase de girinos.

    Leia tudo sobre: chinaterremotorãs

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG