Organizações documentam iniciativas de pressão de movimentos sociais contra alimentos geneticamente modificados

Campo de pesquisas soja transgênica da Monsanto em Piranussunga, SP
Getty Images
Campo de pesquisas soja transgênica da Monsanto em Piranussunga, SP
Da África à América Latina passando pela Europa e a Índia, milhares de agricultores protestaram contra a Monsanto e seus alimentos geneticamente modificados, um esforço que teve resultados, já que levou os responsáveis políticos a regulamentar melhor o setor agroalimentar, segundo um relatório de várias ONGs.

"Onde a Monsanto está presente, as sementes locais passam a ser ilegais, a biodiversidade desaparece, as terras são contaminadas e os agricultores e trabalhadores agrícolas são envenenados, incriminados, expulsos de suas terras", afirmam Amigos da Terra Internacional, Via Campesina e Combate Monsanto no relatório.

Em quase quarenta páginas, o documento relata, com testemunhos, os recentes combates contra o principal fornecedor de sementes geneticamente modificadas.

Leia também:
Milho transgênico da Monsanto pode estar perdendo efeito

Greenpeace destrói plantações experimentais de trigo transgênico na Austrália
Cultivo de transgênicos no Brasil cresce 19,3% em 2011
China deve endurecer regras para transgênicos
Cultivo de transgênicos vai crescer 20,9% no Brasil
CTNbio publica regra para organismos modificados

"Este relatório demonstra que as fortes objeções dos movimentos sociais e das organizações da sociedade civil tiveram um impacto sobre os responsáveis políticos encarregados de regulamentar o setor agroalimentar e de decretar as normas sobre pesticidas e cultivos transgênicos", destaca a síntese do texto.

Na Guatemala, por exemplo, as redes antitransgênicos alertaram sobre projetos de legislação e de adoção de programas de desenvolvimento americanos que favoreciam a chegada de sementes transgênicas ao país.

Na África, uma aliança pela soberania alimentar pode não seguir o exemplo da África do Sul, que adotou a tecnologia dos transgênicos "apesar das variedades de plantas transgênicas em questão (...) não resistirem nem à seca nem às inundações", aponta o relatório.

Na Europa, a opinião pública é majoritariamente contrária à produção de alimentos a partir de sementes geneticamente modificadas.

Segundo o relatório, o combate é mais difícil nos países em desenvolvimento ou emergentes.

Apesar disso, alguns movimentos agrícolas conquistaram algumas vitórias, como a moratória sobre a berinjela BT, uma versão transgênica do legume na Índia, ou a rejeição das doações de sementes híbridas no Haití, depois de uma mobilização massiva contra os riscos para a soberania alimentar.

Apesar de toda esta mobilização, o relatório lamenta "a ofensiva sem precedentes do agronegócio sob a bandeira da nova 'economia verde' nos preparativos da cúpula Rio+20" prevista para junho.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.