Reflorestamento pode reduzir cólera no Haiti

Projetos para melhor uso do solo além de reduzirem risco de inundações, também garantem maior acesso à água potável

National Geographic |

Damon Winter / The New York Times
Com apenas uma fração da cobertura florestal remanescente, Haiti tem se tornado vulnerável a deslizamentos de terra e inundações
No banco de passageiro de um caminhão ao longo de uma estrada esburacada e empoeirada, no Haiti rural, Drew Kutschenreuter aponta para as árvores plantadas para virar carvão e para os canais de irrigação que cortam as colinas marrons.

Engenheiro agrônomo de Wisconsin, Kutschenreuter trabalha no Haiti há mais de duas décadas, e recentemente, atua em projetos de conservação do solo de encostas. Estão entre as metas de Kutschenreuter criar emprego e inverter a crescente degradação do meio ambiente e a extrema pobreza - problemas agravados pelo terremoto do ano passado e pelo histórico de furacões na ilha.

Com uma pequena parte de sua cobertura florestal remanescente, o Haiti tem se tornado cada vez mais vulnerável a enchentes e deslizamentos de terra. Sem as raízes subterrâneas, apenas um quarto da água necessária permeia o solo. Tempestades frequentemente destroem os sistemas de água existentes, enfraquecendo o acesso de água potável.

A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que cerca de 36 milhões de toneladas de bom solo são levados a cada ano pelo vento e pela chuva. Grande parte acaba indo para rios e lagos que se tornam lama durante a estação chuvosa. Com a perda da fertilidade do solo, ocorre a queda de produtividade e como resultado, agricultores têm cada vez mais optado por cortar árvores para vender como lenha e carvão vegetal.

Com o recente surto de cólera em campos lotados de vítimas do terremoto, e em zonas montanhosas de áreas rurais onde as pessoas tomam a sua água potável do rio ou de poços subterrâneos, espera-se que haja maior pressão pelos recursos florestais. De acordo Wesler Lambert do Partners in Health, quando cidadãos são incentivados a ferver a água como uma medida de proteção contra o cólera e outras doenças transmitidas pela água, mais carvão vegetal é usado. O que aumenta o desmatamento e, portanto, facilita a formação de enchentes.

Reestruturando encostas e futuros
Kutschenreuter trabalha em uma área chamada Gonaives, no norte do Haiti, e que não sofreu com a devastação do terremoto, por causa do plantio de encosta e dos projetos terraplanagem para diminuir o fluxo de água e proteger o solo superficial. Embora a área do projeto seja um pequeno pedaço do Haiti, ela oferece um vislumbre de como uma paisagem reabilitada pode funcionar.

O trabalho ambiental no Haiti faz parte do programa denominado Iniciativa Regeneração do Haiti, liderada pelo instituto da Terra da Universidade de Columbia e da Programa das Nações para o Meio Ambiente (PNUMA). O esforço começou em 2008 com a restauração ecológica de uma das dezenas de bacias hidrográficas do país. Agora, depois de ter assegurado US$ 8 milhões em financiamento, os líderes do projeto estão ampliando os trabalhos para a costa sul do Haiti.

Até agora, a maior parte do trabalho tem sido focada no planejamento: levantamentos sobre a qualidade do solo, dados de satélite sobre os padrões da topografia e da água, e a criação de um mapa que determina se as encostas podem suportar a agricultura. Eles também instalaram um pluviômetro automatizado, que comunica a velocidade do vento e dados sobre precipitação em tempo real e via satélite, isto permitirá alertar com antecedência sobre risco de inundações.

O programa baseia-se em práticas que a ONU tem desenvolvido nas aldeias africanas. "O Haiti está entre as áreas de cultivo com eficiência mais baixa do mundo", disse Marc Levy, professor da Universidade Columbia e diretor do programa do Instituto da Terra. "O uso de adubo pode dobrar ou triplicar a produção de maneira rápida". Árvores frutíferas como banana e manga podem ser plantadas ao longo das encostas e muros podem ser construídos para suportar-los contra a erosão.

Muitos cientistas e políticos têm reconhecido as consequências da dependência do carvão vegetal. A melhor estratégia para os agricultores haitianos, segundo o relatório da comissão econômica de 2008, encomendado pela ONU, seria plantar mangueiras para a exportação das frutas. Imposto sobre o abate de árvores poderia ser estabelecido para subsidiar os trabalhos alternativos à produção de carvão vegetal. Mas os agricultores pobres, que não recebem os lucros das exportações, tradicionalmente escolhem agricultura de subsistência. Alterar os incentivos exige uma liderança forte do governo - e a falta de liderança era o obstáculo maior para a reconstrução, mesmo antes das eleições no final de novembro que foram marcadas por fraudes, de acordo com analistas.

Sem um governo forte e empenhado em resolver estes problemas no Haiti, os programas de reabilitação ambiental ter tido, na melhor das hipóteses, resultados mistos. Falhas comuns entre estess projetos, que receberam um total de 391 milhões dólares desde 1990, de acordo com o Haiti Regeneration Initiative, incluem a falta de coordenação entre as organizações de ajuda internacionais e ministérios do governo, por falta de alternativas de emprego e participação local seguro, e um histórico de intervenções de curto prazo aplicado às questões de longo prazo.

Um dos eixos principais da Haiti Regeneration Initiative é a importância da cooperação entre ONGs, governo e residentes. Grande parte do trabalho no próximo ano será construirir em parceria com a comissão de lideranças locais.

"Estamos vendo os passos iniciais de uma coalizão de grupos que, juntos, têm o potencial de atingir uma parcela significativa da população e têm relações muito fortes com todos os grandes participantes", disse Alex Fischer, do Instituto da Terra. "Se continuarmos seguindo este caminho, há definitivamente uma razão para ter esperança."

    Leia tudo sobre: haiticóleradesmatamento

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG