Promotoria focará segurança em caso de vazamento da Chevron

Documentos mostram que excesso de pressão na perfuração causou vazamento no Campo Frade, que dificilmente será controlado

iG São Paulo |

Um promotor brasileiro pretende alegar nesta semana que a Chevron e a Transocean não deveriam ter perfurado o poço de águas profundas que vazou em novembro , segundo mostraram documentos legais, indicando esperadas acusações criminais que poderiam desacelerar a corrida para desenvolver a vasta riqueza petrolífera offshore do Brasil. O procurador Eduardo Santos Oliveira, do Ministério Público Federal em Campos dos Goytacazes (RJ), afirmou hoje à agência Reuters que a Chevron não tem como parar o vazamento, resultado de uma rachadura em um reservatório, ocorrida enquanto a empresa tentava "indevidamente atingir a camada pré-sal",

As alegações fazem parte dos relatórios da polícia e dos procuradores usados para montar acusações criminais contra a petroleira Chevron, a Transocean e 17 de seus executivos e funcionários. Oliveira afirmou, em entrevista à Agência Estado, não descarta pedir a prisão preventiva dos funcionários da Chevron.

Os documentos deram a visão mais detalhada até agora sobre as possíveis causas do vazamento de petróleo na costa do Brasil. Eles também descrevem por que os promotores estão buscando acusações criminais por aquilo que observadores da indústria notaram ser um vazamento relativamente pequeno, em um poço que foi aprovado por reguladores brasileiros para perfuração.

O procurador em Campos acusa a Chevron de "ter botado uma pressão maior que a suportada e ter cavado além do que foi autorizado". "Eles assumiram um risco premeditado", afirmou. "O vazamento não é mais no poço, é na rocha reservatória, e não tem como ser controlado. Não se sabe a capacidade. É uma cratera no solo marinho".


Veja o vídeo divulgado hoje pela Chevron do novo vazamento no Frade:

Caso não consiga ver o vídeo, clique para assistir na TV iG: Vídeo submarino de trecho do vazamento de petróleo da Chevron

"Estamos em território desconhecido", disse Cleveland Jones, geólogo especialista em petróleo da Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

"Queremos melhores condições ambientais? Sim. Será que o ambiente é realmente afetado? Não. Se você aplicou o mesmo padrão para toda a indústria, você provavelmente terá que desligá-lo e nós não estamos aplicando os mesmos padrões para os outros."

Autoridades no sábado ordenaram que o presidente da Chevron no Brasil, George Buck, e outros 16, entreguem seus passaportes e permaneçam no país . Denúncias criminais podem ser feitas na quarta-feira , disse um porta-voz da promotoria. Um juiz brasileiro determinará se haverá prosseguimento do caso.

O caso criminal pendente, junto com um processo ambiental de pedido de indenização recorde, de 20 bilhões de reais, que o promotor lançou contra a Chevron, mostram uma maior preocupação sobre a segurança na exploração do petróleo offshore do Brasil, na esteira do desastre de derramamento de petróleo de 2010 da BP , no Golfo do México.

O vazamento da Chevron foi inferior a 0,1 por cento do derramamento maciço da BP , e o petróleo não chegou à costa, aumentando a preocupação da Chevron e outros de que as acusações podem ser injustas ou ter motivos políticos.

Derramamentos muito maiores e mais prejudiciais da Petrobras, que detém 30 por cento do campo de Frade, operado pela Chevron, onde o vazamento aconteceu, não levaram a acusações criminais contra a Petrobras ou seus executivos.

Entenda o caso:
Chevron divulga vídeo com imagens do vazamento
Situação em bloco da Chevron está fora de controle, diz PF
Ministério Público prepara ação penal contra Chevron
Executivos da Chevron são impedidos de deixar o Brasil
Detectada mancha de óleo de 1km do vazamento da Chevron
ANP diz que há novo vazamento da Chevron na Bacia de Campos
Para Ibama, trata-se de uma ocorrência natural
Minc afirma que faltou transparência por parte da Chevron
ANP quer mais dados para suspensão de produção da Chevron
Perfuração pode ter causado hecatombe, diz delegado da PF

Outro lado
A Chevron diz que seguiu a prática aceita pela indústria, e que solicitou e recebeu autorização na semana passada para encerrar a produção no Frade, depois de ter encontrado pequenos e inexplicáveis novos vazamentos no campo, que vinha produzindo 61.500 barris por dia. Isso ficou bem abaixo dos cerca de 80 mil bpd de antes do derramamento de novembro.

O procurador Eduardo Santos de Oliveira disse à Reuters em janeiro estar apenas tentando cumprir a lei e prevenir futuros derramamentos.

Um representante da Chevron em San Ramon, Califórnia, disse que a empresa nunca teve como alvo das perfurações a camada brasileira do pré-sal. Disse ainda que a empresa conseguiu estancar o vazamento de novembro em quatro dias. Por fim, afirmou que a Chevron está capturando um fluxo "residual" do petróleo que vazou no campo de Frade.

No Rio de Janeiro, o diretor de Assuntos Corporativos da Chevron, Rafael Jaen afirmou nesta segunda-feirra (19): "A empresa vai respeitar a lei brasileira e defender seus empregados com todos os recursos que a lei oferece". Segundo ele, a petroleira ainda não foi notificada sobre a decisão que impede funcionários de deixar o País .

Em relação ao afloramento de óleo, Jaen afirmou que a situação está sob controle. "São gotas que saem do subsolo. Todos os dias fazemos sobrevoos, e a mancha está diminuindo". O diretor disse que a mancha estava sendo dispersada com jatos de água: "Fragmentada, concentra dois litros de óleo", afirmou. Segundo ele, a petroleira interrompeu suas operações no Campo de Frade e a intenção é retomar as atividades após a conclusão de um estudo geológico "técnico e profundo", realizado em conjunto com a Petrobras. "Por enquanto, são especulações, hipóteses e teorias".

Um porta-voz da Transocean disse que a empresa não possuía nenhum comentário imediato sobre os documentos. No sábado, a companhia disse que "sempre cooperou com as autoridades e continuará defendendo seu pessoal".

Se as denúncias forem feitas e acatadas pela Justiça, as empresas e autoridades vão, provavelmente, enfrentar anos de ação legal.

A Reuters reportou em 26 de janeiro que Santos de Oliveira preparava acusações. As acusações foram planejadas com base em parte de uma investigação de Fabio Scliar , chefe da Divisão de Meio Ambiente da Polícia Federal no Rio de Janeiro.

O poço que levou ao vazamento de novembro "não deveria ter sido perfurado", diz o relatório assinado por Scliar.

Quando a Chevron explorava a reserva, petróleo de alta pressão foi capaz de dar um "kick" e surgir dentro do poço, acionando a válvula de segurança.

A válvula de segurança no fundo do mar impediu que o petróleo se atirasse para a plataforma de perfuração da Transocean na superfície, que teria causado um jorro. A falha em tal válvula, conhecida como uma "blow-out preventer", ou BOP, levou ao desastre da BP.

O BOP deteve a pressão no poço, rachando a rocha e abrindo uma fenda de centenas de metros abaixo do solo oceânico. O óleo vazou então pela rocha porosa e as bolhas migraram através do solo e depois até a superfície.

Isso não deveria ter surpreendido a Chevron, disse o relatório de Scliar.

(Com informações da Reuters e AE)

    Leia tudo sobre: vazamento de petróleoanpchevronbacia de campos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG