Programa Biota-Fapesp completa 10 anos

Programa que pesquisa e cataloga a biodiversidade paulista é referência internacional

Thiago André, especial para o iG |

O Instituto Virtual da Biodiversidade, mais conhecido como Programa Biota-FAPESP, desde sua criação em 1999 vem estudando a fauna, a flora e os microrganismos nos biomas de todo o Estado de São Paulo. Em artigo publicado hoje (10) na revista científica Science, a equipe de Carlos Alfredo Joly, coordenador do programa e professor da Unicamp, descreve as principais conquistas do Biota nesses seus 10 anos de existência.

Nesse período, o programa, que envolve 1.200 profissionais, apoiou 94 grandes projetos de pesquisa, descreveu 1.800 novas espécies de plantas e animais, já gerou três patentes, dados para 35 coleções biológicas e diversos mapas que orientam políticas públicas. Hoje o Estado de São Paulo possui quatro decretos governamentais e 11 resoluções que citam as orientações do Biota.

Veja abaixo algumas das espécies descritas pelo programa:



“A estabilidade política e econômica no Brasil são fatores que fizeram com que a FAPESP assumisse um compromisso de financiamento a longo prazo ao programa, garantindo um orçamento médio anual de US$ 2,5 milhões aos nossos estudos”, aponta Carlos Joly. Segundo ele, o programa, cuja qualidade dos trabalhos é avaliada por uma comissão internacional a cada dois anos, já gerou mais de 750 artigos em periódicos nacionais e internacionais, 16 livros, dois atlas e formou mais de 170 mestres e 110 doutores capacitados para trabalhar com caracterização, conservação, recuperação e uso sustentável da biodiversidade.

O artigo na Science também aponta áreas em que o programa deve melhorar em seus próximos 10 anos de atuação, como a tradução dos avanços científicos em materiais didáticos para uso no ensino básico e o estabelecimento de áreas prioritárias para a conservação de bacias hidrográficas e ecossistemas marinhos. O Biota também inspirou a criação de um programa nacional, atualmente em discussão no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Desde a Convenção sobre Diversidade Biológica - fórum mundial criado em 1992, no Rio de Janeiro, para a definição de marcos legais relacionados ao tema - a conservação e restauração dos biomas e suas espécies é prioridade em muitos países. Nesse contexto é que se justifica a existência de um programa como o Biota, que combina pesquisas sobre biodiversidade, formação de recursos humanos e criação de políticas públicas para a preservação do meio ambiente.

    Leia tudo sobre: fapespbiodiversidadesão paulo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG