Produtos usados no dia-a-dia podem contaminar a água

Pequenas quantidades de substâncias contidas em fármacos e cosméticos podem alterar sistema reprodutor de animais

Maria Fernanda Ziegler, iG São Paulo |

Getty Images
Bactericidas e hormônios usados em produtos de higiene pessoal interferem com o sistema reprodutivo de animais como o urso polar
O simples ato de lavar os cabelos com xampu, ou tomar a diária pílula anticoncepcional traz riscos ambientais. Quantidades mínimas de substâncias que compõem medicamentos de uso comum e produtos de higiene pessoal podem ser a origem de diversas alterações em animais pelo mundo, como feminilização de anfíbios e peixes e diminuição de fertilidade em ursos polares e pingüins.

São os chamados contaminantes emergentes, que têm como via principal a água. Após serem usadas ou ingeridas pelas pessoas, caem no sistema de esgoto, passam incólumes pelo sistema de tratamento, e acabam em diferentes ecossistemas.

“A gente tem mais ignorância do que certeza sobre este assunto” adverte Wilson Jardim, pesquisador do Laboratório de Química Ambiental da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A estimativa é que por ano sejam criadas 1500 novas substâncias, o que de acordo com o professor, não dá tempo para avaliar o efeito de cada uma delas. “Estipula-se que a gente conviva com 100 mil substâncias”, diz.

Em pequenas doses
Estudos recentes, no entanto afirmam que o hormônio sintético usado na pílula anticoncepcional (17 alfa etinilestradiol), quando atinge o ambiente seja pela urina de seres humanos ou por serem descartados pela privada, pode causar alterações na reprodução de peixes, incluindo a feminilização de machos. Assim como a ocorrência de distúrbios no sistema reprodutor de ursos polares e pinguins devido a exposição alimentar de uma série de substâncias inibidoras endócrinas.

Outro composto que pode causar a alteração só que em anfíbios é a antrazina, herbicida largamente utilizado na agricultura.

Um contaminante recém encontrado na costa brasileira é o TBT (tributilestanho), substância antiincrustrante usada em casco de navios que provoca características sexuais femininas em moluscos machos.
Um bactericida, chamado triclosan e encontrado em produtos de higiene pessoal como pastas de dente, anti-séptico bucal, cremes para pele, sabonetes desinfetantes, desodorantes entre outros produtos é bastante tóxico para os organismos aquáticos, e pode se transformar em dioxinas quando exposto a luz solar.

Todas estas substâncias que são muito solúveis em água e têm ação no sistema endócrino animal. Geralmente são moléculas pequenas que têm o poder de mimetizar alguns hormônios esteróides ou da tireóide, comprometendo assim, os processos reprodutivos de várias espécies.

Sem se alarmar
“Não é uma questão de proibir, porque proibindo, a indústria terá que substituir por outra substância que talvez não se tenha conhecimento de seus riscos. É preciso saber, mas sem se alarmar. Não é uma coisa irreversível, a gente pode intervir”, analisa Gisela Umbuzeiro bióloga do Laboratório de Ecotoxicologia e Microbiologia Ambiental, da Unicamp.

A pesquisadora lembra que já existe tecnologia para que estas substâncias sejam tratadas nas redes de esgoto, por uso de oxidativos ou por métodos que mineralizam os compostos, “O problema é que ainda são muito caros”, diz.

Wilson Jardim também concorda que não é possível apenas proibir. “Nosso saneamento é deplorável”, diz. O professor também lembra a necessidade de que as cartelas de comprimido tenham apenas a quantidade necessária de acordo com a posologia do medicamento. “Todo mundo tem antibiótico em casa sobrando, não? Um dia ele acaba no lixo ou na privada”.

30 anos de um problema grande e variado
Já na década de 80 observou-se a contaminação de crocodilos no lago Apoka, na Flórida. A exposição contínua de alguns pesticidas, mesmo que em baixas concentrações, teve efeito sofre os ovos da espécie, interferindo no desenvolvimento do sistema reprodutor dos animais, tornando-os inférteis.

A feminilização de peixes em pontos de descarte de efluentes de estações de tratamento de esgoto, o aumento de tumores em peixes de áreas urbanas dos EUA e a formação disforme de larvas do mar do norte da Europa também são considerados efeitos causados pela presença de interferentes endócrinos contidos nos contaminantes.

    Leia tudo sobre: poluiçãosaneamento básicohormônios

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG