Presidente da BP sai em outubro

Tony Hayward vai deixar a companhia em três meses; para Casa Branca, "nada vai mudar"

iG São Paulo |

O executivo-chefe da BP, Tony Hayward, deixará seu cargo na companhia em outubro por causa da crise surgida com ovazamento de petróleo no Golfo do México, informou hoje o canal BBC.

Acompanhe a evolução do vazamento de petróleo no infográfico do iG

Muito criticado por sua gestão após o desastre ocorrido em 20 de abril, Hayward pode passar a ocupar um cargo na junta diretora da companhia petrolífera russa TNK-BP, na qual a BP tem 50% de participação, segundo a emissorabritânica. A junta diretora da BP se reuniu hoje em Londres para decidir o futuro de seu executivo-chefe, que podeser substituído pelo americano Bob Dudley, atualmente a cargo das operações de limpeza da companhia no Golfo do México.

Uma eventual demissão de Hayward, que trabalha para o grupo há 28 anos, renderia ao executivo um ano de salário -ou seja, mais de um milhão de libras ou 1,2 milhão de euros -, além de uma bonificação anual de mais de doismilhões de libras e uma aposentadoria de 600.000 libras por ano.

Para governo americano, nada muda
A Casa Branca advertiu hoje (26) o grupo britânico BP de que a eventual substituição de seu polêmico presidente, Tony Hayward, em nada muda sua obrigação de limpar o petróleo derramado no Golfo do México e indenizar as vítimas do desastre ambiental.

Especial: Vazamento completa três meses com poucas respostas

"O presidente da BP (...) decidir ir embora é uma coisa", disse o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs. "O que é certo é que a BP não pode nem deve deixar o golfo sem cumprir com sua responsabilidade de fechar o poço, limpar os estragos causados (pelo óleo derramado) e indenizar os que foram prejudicados", enfatizou.

(Com informações da EFE e da AFP)

    Leia tudo sobre: vazamento de petróleoGolfo do MéxicoBP

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG