Prefeitura do Rio distribui contêineres feitos de bagaço de cana

Foram gastos R$ 7 milhões para a compra dos 50 mil contêineres de 240 litros

Agência Brasil |

JP Engelbrecht/Divulgação
Os contêineres feitos com o bagaço da cana-de-açúcar têm o certificado Green Made
De olho na Rio+20 , a prefeitura do Rio de Janeiro começou a distribuir na terça-feira (10) o primeiro lote de 50 mil novos contêineres feitos de bagaço de cana-de-açúcar. Os recipientes serão distribuídos pela Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) para o recolhimento de resíduos domiciliares. “Além do objetivo final de melhorar a coleta no Rio de Janeiro, você tem um produto pela primeira vez na cidade totalmente sustentável”, afirmou o prefeito Eduardo Paes.

Veja todas as notícias da conferência Rio+20

Segundo ele, os contêineres contribuirão para a melhora da coleta de lixo e da limpeza da cidade. O prefeito afirmou que o uso de matéria-prima renovável é um “atestado do comprometimento” do Rio de Janeiro com a agenda de sustentabilidade, em consonância com a realização da Rio+20 na cidade, em junho deste ano.

Ao todo, foram gastos R$ 7 milhões para a compra dos 50 mil contêineres, de 240 litros, que serão distribuídos até o mês de junho em toda a cidade. Inicialmente, a prefeitura irá entregar 5 mil recipientes, nos bairros de Copacabana, na zona sul, e Realengo, na zona oeste - os primeiros beneficiados pela medida.

De acordo com o secretário municipal de Conservação, Carlos Osório, o sistema de vedação dos contêineres de bagaço serão um avanço para as condições de higiene na cidade. Como o recipiente é vedado, o que impede a entrada de água da chuva, não há proliferação de roedores e mosquitos vetores de doenças e formação de chorume (líquido poluente, de odor nauseante, proveniente da decomposição do lixo).

Os contêineres de bagaço reduzem em 85% a emissão de poluentes em relação ao material de origem petroquímica (como o plástico) e têm o certificado Green Made (garantia de uso de matéria-prima renovável e com baixa emissão de carbono).

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG