Plano de soltar lêmures em ilha caribenha gera bate-boca

Cientistas afirmam que ideia do magnata Richard Branson de introduzir espécies de um continente em outro pode ser desastrosa

BBC Brasil |

selo

SPL
O lêmur vermelho é uma das espécies ameaçadas de extinção
Um conhecido empresário britânico está levando adiante um plano de introduzir espécies de lêmures em uma ilha caribenha.

Richard Branson, dono do império Virgin - cujos negócios abrangem de linhas aéreas a selos de música e telefonia celular - quer transportar os pequenos primatas, nativos de Madagascar, no leste da África, para as ilhas Moskito e Necker, de sua propriedade.

O plano do milionário, de soltar os lêmures nas florestas das ilhas, está preocupando cientistas. Eles argumentam que, no passado, iniciativas semelhantes, envolvendo outras espécies, tiveram resultados desastrosos.

A equipe de Branson insiste que tanto os lêmures, que virão de zoológicos, quanto os animais nativos da ilha ficarão bem.

Introduzir espécies de um continente em outro, com o objetivo de preservá-las, é algo que nunca foi feito.
Há várias espécies de lêmures. Elas são encontradas exclusivamente na ilha de Madagascar e muitas correm risco de extinção, em grande parte, por causa do desmatamento.

O problema piorou desde a queda do presidente Marc Ravalomanana, há dois anos. Desde então, houve um florescimento na atividade madeireira na ilha.

Falando à BBC, Branson disse: "Estamos tentando preservar os lêmures mas, infelizmente, em Madagascar, com a queda do governo (desde 2009, quando o presidente foi derrubado pelo líder da oposição com apoio do Exército, o gfoverno está em crise) o espaço para os lêmures está cada vez menor".

"Aqui em Moskito Island temos uma bela floresta", explicou. "Trouxemos especialistas da África do Sul e eles dizem que seria um lugar perfeito, onde lêmures podem ser protegidos e procriar".

Entre as espécies que Branson pretende introduzir em suas ilhas está o lêmur vermelho (Varecia variegata rubra) e o lêmur de cauda anelada (Lemurcatta).

Ambas estão incluídas na Lista Vermelha de espécies ameaçadas de extinção da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN).

Paraíso Ecológico
Moskito ou Mosquito Island é uma entre duas ilhas que Branson possui nas Ilhas Virgens Birtânicas. Várias mansões de luxo estão sendo construídas no local.

Na outra ilha, Necker, foi construído um complexo turístico ecológico com diárias em torno de US$ 2 mil.
O novo projeto do empresário está despertando muito interesse na região. Fóruns em sites locais estão cheios de comentários de pessoas contrárias ou favoráveis à ideia e aumentam os bate-bocas entre políticos das ilhas.

Cientistas entrevistados pela BBC disseram estar preocupados com a iniciativa.
Simon Stuart, ambientalista e presidente da Comissão de Sobrevivência de Espécies da IUCN, disse:
"Talvez (Branson) tenha encontrado algumas pessoas que disseram que não há problema, mas (que outras espécies) vivem na ilha, e como podem ser afetadas?", perguntou o especialista.

"Eu ficaria preocupado e gostaria de ter algumas explicações".
Stuart disse que talvez o projeto seja uma contravenção ao código da IUCN de translocações. O código foi criado para impedir a repetição de desastres anteriores, como, por exemplo, a introdução de coelhos na Austrália.

O código determina que translocações não devem jamais ser feitas em ecossistemas naturais.
Quando acontecem em áreas já alteradas pela ação do homem, é preciso que haja períodos experimentais controlados e avaliações contínuas.

"O estrago causado por introduções danosas em sistemas naturais supera de longe os benefícios obtidos", diz o documento.

O coordenador de um grupo da IUCN especializado em primatas de Madagascar, Christoph Schwitzer, disse que os lêmures deveriam ficar confinados.

"O projeto só seria aceitável se ele (Branson) tivesse a intenção de manter os lêmures em um ambiente controlado, ou seja, em uma área cercada onde eles não poderiam trazer problemas para a fauna e flora nativas", disse.

"É crucial que essa iniciativa não mande a mensagem errada às pessoas, de que talvez seja uma boa ideia ter lêmures como bichos de estimação, para o prazer pessoal".

Alerta
Schwitzer avisou que pode haver impacto sobre a vida local. Algumas espécies de lêmur se alimentam apenas de frutas. Outras comem o que estiver por perto, incluindo lagartos e outros animais pequenos.

"Talvez haja pássaros chocando ovos em ninhos. Os lêmures podem tentar comer seus ovos. Ou talvez haja pequenos invertebrados que os lêmures podem tentar comer", explicou.

As ilhas Necker e Moskito são habitadas por répteis, entre eles, espécies de iguanas e lagartixas. Ambientalistas locais estão particularmente preocupados com esses animais.

Branson disse à BBC que uma avaliação de impacto ambiental teria sido feita na Moskito Island.
Grupos que se opõem ao projeto argumentam, no entanto, que a avaliação não incluiu a questão da introdução de espécies exóticas.

O empresário disse que se fosse constatado que os lêmures representavam algum perigo para a vida local, medidas de proteção seriam adotadas.

Benefícios
Não está claro por que Branson quer introduzir os animais nas ilhas.

Há poucas chances de que os primatas tenham grande impacto em seus empreendimentos no campo do turismo ecológico.

Os lêmures da cauda anelada serão os primeiros a chegar. São criaturas adaptáveis, que gostam de ovos de pássaros.

Um dos principais consultores de Branson é Lara Mostert, uma das gerentes do Monkeyland Primate Sanctuary, um santuário onde várias espécies de macacos e de lêmures vivem juntas em uma área florestal na África do Sul.

Ela disse que os lêmures do empresário britânico teriam uma vida muito melhor (nas ilhas) do que nos zoológicos onde vivem hoje. Alguns, segundo ela, em "condições terríveis".

"Infelizmente, primatas se tornaram uma espécie de negócio. São vistos como mercadorias", disse Mostert.

Ela disse que gosta do plano de Branson porque ele não pretende vender os animais.
Mostert acha, também, que os lêmures vão florescer na ilha.

Branson argumenta ainda que o projeto trará benefícios para a conservação das espécies e que, em algum momento no futuro, os animais poderão ser reintroduzidos em Madagascar.

Mas programas de reprodução no cativeiro já existem para este fim.


'Medidas Extremas'
Apesar da apreensão de muitos, o plano foi aprovado pelo governo das Ilhas Virgens Birtânicas e parece estar seguindo adiante.

O primeiro grupo, com cerca de 30 lêmures da cauda anelada, deve chegar dentro de algumas semanas, vindo de zoológicos na Suécia, África do Sul e Canadá.

O lêmure vermelho, uma espécie bastante ameaçada, pode ser o próximo, seguido do sifaka.

À medida que aumentam as ameaças à diversidade em todo o mundo, transportar espécies de um local para outro para conservação é um dos "esquemas extremos" que ambientalistas discutem e até começam a implementar.

Mas quase sem exceções, essas translocações estão ocorrendo dentro de regiões ecológicas de onde se origina o animal - e não do outro lado do planeta.

    Leia tudo sobre: ambiente

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG