Pítons estão matando os mamíferos da Flórida, diz estudo

Pesquisa mostra que número de guaxinins, linces e outros animais caiu drasticamente em região onde há superpopulação de cobras

iG São Paulo |

AP
Pesquisadores da Universidade da Flórida seguram uma píton encontrada em 2009 nos Everglades: superpopulação perigosa
Uma crescente população de pítons – em sua maioria, criadas como animais de estimação e depois abandonadas quando cresceram demais – aparentemente estão exterminando um grande número de guaxinins, gambás, linces-pardos e outros mamíferos no Parque Nacional dos Everglades, no Estado norte-americano da Flórida.

De acordo com um novo estudo publicado nesta segunda-feira (30) no periódico Proceedings of the National Academy of Sciences – houve uma queda dramática de testemunhos de mamíferos de médio porte – chegando a 99% em alguns casos – em áreas onde se sabe que existem pítons e outras cobras que caçam por esmagamento.

Os cientistas temem que as cobras possam interromper a cadeia alimentar da região e prejudicar de modo imprevisível o equilíbrio ambiental dos pântanos dos Everglades.

“Os efeitos do declínio dos mamíferos neste ecossistema, que é bem maior que o parque, serão com certeza profundos,” afirmou John Willson, pesquisador da Universidade Virginia Tech e coautor do estudo.

Leia também:
Píton birmanesa de quatro metros é capturada na piscina de uma casa em Miami
Mecânico encontra píton dentro de motor de carro
Cobras com coração grande dão pistas para tratamento cardíaco em humanos
Vídeo: tomografia mostra interior de cobra digerindo rato

Fóssil de píton de 15 milhões de anos dá pistas sobre clima na Alemanha

Acredita-se que dezenas de milhares de pítons birmanesas, que são nativas do Sudeste Asiático, vivam nos Everglades – o clima quente e úmido é similar a de seu ecossistema natal. Apesar de muitas terem sido abandonadas por seus donos, outras escaparam de pet shops durante o furacão Andrew, em 1992, e estão se reproduzindo desde então.

Elas podem crescer até oito metros e pesar mais de 90 quilos, e conseguem sufocar animais grandes, como crocodilos. Esse tipo de serpente mata por esmagamento, ao se enrolar na vítima e sufocá-la.

O Serviço Nacional de Parques dos Estados Unidos contabilizou 1825 pítons caçadas nos arredores dos Everglades desde 2000. A maior pesava 70 quilos e media cinco metros, e foi capturada no início deste mês.

AP
Píton se enrola em crocodilo, nas Everglades: cobras matam por esmagamento
Para o estudo, os pesquisadores dirigiram por 62.7000 quilômetros de estradas no parque, entre 2003 e 2011, contando os animais selvagens vistos nestas incursões, e comparando os números com pesquisas feitas nas mesmas rotas em 1996 e 1997.

O resultado foi um declínio agudo de encontros com animais: queda de 99,3% para os guaxinins, 98,9 para gambás, 94,1% para cervos e 87,5% para os linces. Em estradas onde se imagina que população de pítons seja menor, o declínio foi menos acentuado, mas ainda digno de nota.

Coelhos e raposas, comuns nos estudos dos anos 90, sumiram completamente nas contagens posteriores. Os pesquisadores notaram aumentos discretos em coiotes, suçuaranas, roedores e outros mamíferos, mas os números foram descartados porque muito poucos foram vistos, em geral.

“A magnitude destes declínios reforça a aparente e inacreditável superpopulação de pítons nas Everglades,” disse Michael Dorcas, professor do Davidson College, na Carolina do Norte, que liderou o estudo.

Embora não se possa afirmar com certeza que a pítons estão matando os mamíferos, elas são as principais suspeitas. Seu aumento coincide com a diminuição dos outros animais, e o o declínio aumenta de acordo com o tamanho da população de cobras em uma determinada área. Uma doença única parece uma causa improvável, já que a mortandade afeta várias espécies.

Os especialistas dizem que é difícil prever o efeito geral desse fenômeno. Menos linces e raposas, que comem coelhos, podem estar ligados às pítons se alimentando dos coelhos. Por outro lado, o declínio dos guaxinins, que comem ovos, pode ser bons para tartarugas, crocodilos e pássaros. No entanto, eles lembram do que acontecey em Guam, onde uma espécie de cobra matou aves, morcegos e lagartos que polinizavam árvores e flores e dispersavam sementes. Isso levou a mortes de árvores, pássaros e vários vegetais.

Em 2010, o Estado da Flórida proibiu a aquisição privada de pítons birmanesas. No início deste mês, o Secretário de Interior Ken Salazar anunciou uma proibição federal à importação desta e de outras três espécies de serpentes, e comentou à AP: “Este estudo pinta um quadro duro do dano que as pítons estão causando à natureza e economia da Flórida”.

(Com informações da AP)

    Leia tudo sobre: cobraspítonsestados unidosflórida

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG