Piscina de água doce se expande no Ártico, diz pesquisa

Cientistas britânicos acreditam que aumento no volume de água pode baixar a temperatura da Europa

Reuters |

Uma enorme piscina de água doce no Oceano Ártico está se expandindo e pode baixar a temperatura da Europa, ao diminuir a velocidade da corrente oceânica, disseram cientistas britânicos neste no domingo.

Usando satélites para medir a altura da superfície do mar de 1995 a 2010, cientistas do University College of London e do National Oceanography Centre descobriram que a superfície oeste do Ártico subiu cerca de 15 centímetros desde 2002. O volume de água doce aumentou em pelo menos 8.000 quilômetros cúbicos, ou cerca de 10% de toda a água doce do Oceano Ártico.

Leia também:
Expedição científica vai rastrear acidificação no Oceano Ártico
Oceano Glacial Ártico registra recorde de degelo

O aumento pode ser devido aos fortes ventos do Ártico que fazem com que uma corrente oceânica chamada Giro Beaufort aumente, fazendo o nível do mar se elevar.

O Giro Beaufort é uma das correntes oceânicas menos compreendidas do planeta. Alguns cientistas acreditam que os ritmos naturais do Giro podem ser afetados pelo aquecimento global e isso pode trazer graves complicações para a circulação do oceano e no aumento dos níveis do mar.

Modelos climáticos sugerem que o vento soprando na superfície do mar formou uma cúpula no meio do Giro Beaufort, mas existem poucos estudos para confirmar isso.

De acordo com a pesquisa, se o vento mudar de direção, o que aconteceu entre meados da década de 1980 e meados da seguinte, a piscina de água doce poderá vazar para o resto do Oceano Ártico e até mesmo para o norte do Atlântico.

Isso poderá esfriar a Europa ao diminuir uma corrente oceânica vinda da Corrente do Golfo, que mantém o clima da Europa relativamente moderado, comparado a países com latitudes semelhantes.

"Nossas descobertas sugerem que uma inversão do vento poderá resultar na liberação dessa água doce para o resto do Oceano Ártico e além", disse a principal autora do estudo publicado no Nature Geoscience Journal, Katharine Giles.

    Leia tudo sobre: oceano articocorrentestemperatura

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG