Petrobras já recolheu 15 metros cúbicos de água oleosa após vazamento

Técnicos do governo visitaram o local do acidente nesta quarta-feira (1º). Não há risco de óleo chegar à costa, segundo ANP

Valor Online |

A Petrobras informou hoje que "todos os procedimentos de contingência vêm sendo adotados desde ontem" para conter o óleo vazado depois de um rompimento no riser de teste de produção, que liga a plataforma à cabeça do poço, do FPWSO Dynamic Producer.

A plataforma opera no Teste de Longa Duração (TLD) na área de Carioca Nordeste, na bacia de Santos. "Os procedimentos foram iniciados logo após a identificação da ocorrência", disse nota divulgada pela estatal.

Leia também:
Petrobras detecta vazamento de petróleo na bacia de Santos


Três embarcações recolhedoras de óleo percorreram ontem à tarde o local. Além delas, outros dois barcos dão apoio à dispersão mecânica do restante do óleo derramado. Foram recolhidos 15 metros cúbicos de água oleosa, que, segundo a empresa, serão tratados conforme determina a legislação ambiental.

Hoje foram realizados dois sobrevoos na região, com a presença de representantes do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

A Petrobras ressaltou que, nessa inspeção, foi identificada apenas uma área com vestígios dispersos de óleo. "Todos os recursos de contingência continuam na área e só serão desmobilizados após autorização dos órgãos competentes", frisou a nota divulgada pela estatal, acrescentando que as causas da ocorrência ainda estão sendo investigadas.

Óleo não chegará ao continente
As manchas de óleo estão espalhadas por área de aproximadamente 70 quilômetros quadrados, estão se deslocando para o sudoeste. Isso confirma a indicação de baixa possibilidade de o óleo alcançar o continente, informa o Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), constituído por representantes da Marinha, da Agência Nacional de Petróleo (ANP) e do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama).

O grupo se reuniu na tarde desta quarta-feira para avaliar as ações realizadas até o momento, com relação ao vazamento de óleo. A ANP abriu processo administrativo para apurar as causas do incidente.

Pela manhã, enviou uma equipe a bordo do navio plataforma para dar inicio às investigações. A Marinha também mantém um navio em tempo integral na área do acidente.

    Leia tudo sobre: vazamentosão paulobacia de santospetróleo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG