Para mergulhador, tubarões são 'dócéis companheiros de trabalho'

Klaus Jost quer proteger os tubarões e diz que os temidos animais não são 'comedores de gente'

BBC Brasil |

selo

O fotógrafo e engenheiro marítimo Klaus Jost mergulha há anos ao lado de tubarões, em várias partes do mundo, e vê os temidos animais como companheiros de trabalho.

"Ao todo, passei milhares de horas debaixo d'água. Sempre houve tubarões, mas nunca tive problemas com eles. Esses temidos habitantes dos oceanos não têm nada de comedores de homens e monstros agressivos. Na verdade, muitos poucos dos 460 tipos de tubarão descobertos até agora representam uma ameaça para humanos", diz ele.

Leia também:
2010 foi recorde de ataques de tubarão na década

Estudo sobre pele de tubarão desmistifica maiô de alta performance
Shark Alliance quer incluir 6 espécies de tubarões e raias na lista de ameaçados
Mergulhadora desenvolve técnica para 'adormecer' tubarões
O tubarão, uma espécie caricaturada, mal protegida e ameaçada

O interesse pelos animais começou quando ele trabalhava como engenheiro na construção de grandes portos ao redor do mundo, em lugares como Kuwait, Paquistão, Costa do Marfim, África do Sul, Egito e Guiné.

"Tubarões são fantásticos. Se você já viu um tubarão debaixo d'água, nunca vai esquecê-lo", disse Jost à BBC Brasil.

Desde 2001, Jost passou a se dedicar à fotografia de natureza e submarina. Seu objetivo é documentar espécies de tubarão ameaçadas de extinção e chamar atenção para a caça dos animais.

"A exportação de barbatana de tubarão (usada em sopas, na China) para o Oriente vem aumentando. O pior é que os tubarões são pegos, suas barbatanas, cortadas, e eles são jogados de volta no mar ainda vivos, para morrerem de forma terrível."

    Leia tudo sobre: tubarõesanimais

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG