ONU pede que empresas pressionem por acordo climático

Christiana Figueres afirmou, em Davos, que acordo legalmente vinculante só irá acontecer se setor privado participar

AFP |

EFE
A diretora da Convenção sobre o Clima das Nações Unidas, Christiana Figueres nas negociações de Durban, em novembro
Há poucas possibilidades de um acordo para reduzir as emissões de gases que provocam o aquecimento global, a menos que as empresas pressionem os governos, alertou nesta quinta-feira (26), no Fórum Econômico Mundial de Davos, a diretora da Convenção sobre o Clima das Nações Unidas, a costa-riquense Christiana Figueres.

"Apesar de os governos terem dito em Durban 'sim, vamos dedicar os próximos três anos para negociar e estabelecer para 2015 um acordo legalmente vinculante', sejamos claros: isso não vai acontecer", disse Figueres.

"Isso não vai acontecer da perspectiva de cima para baixo. Só acontecerá se for de baixo para cima, se o setor privado participar".

"A menos que se faça isso de baixo, a menos que haja uma forte pressão dos consumidores, do setor privado, da sociedade civil aos governos para que digam sim, é isso que queremos, como seres humanos é o que queremos, não vai acontecer, porque é grande demais", alertou.

A maratona de negociações de dezembro desembocou em um amplo consenso para selar um novo acordo para 2015 a fim de reduzir as emissões de gases de efeito estufa, que causam o aquecimento do planeta.

Leia mais:
Países aprovam mapa do caminho para acordo mundial em 2015
Veja cobertura da COP-17

As empresas não se livrarão do aquecimento global e de seus efeitos sobre o clima, advertiu Figueres, lembrando que as recentes inundações em Bangcoc causaram "a redução de 25% da produção mundial de componentes de computadores".

Entenda:
Como acontece o aquecimento global
Quem são os maiores emissores

"Se isso não é um exemplo do quanto estamos interconectados, como os governos e o setor privado precisam trabalhar juntos, não há nenhum outro exemplo mais convincente", disse.

    Leia tudo sobre: Onucop-17aquecimento global

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG