O perfumado pedido de socorro de uma planta do deserto

Tabaco selvagem emite odor quando é atacado por insetos

The New York Times |

The New York Times
Pequenos insetos tentam atacar folha de tabaco selvagem: pedido de socorro vem na forma de odor específico
A maioria dos animais solta um grito quando está ferida. Mas as plantas, sem uma voz para gritar, liberam um odor.

Quando as plantas são danificadas, elas emitem uma fragrância chamada voláteis da folha verde, ou GLV (da sigla em inglês). A maioria das pessoas já sabe do que se trata – é o cheiro da grama recém-cortada.

Mas no caso de uma espécie de planta de tabaco selvagem, encontrada no deserto da Grande Bacia, no sul do estado de Utah, o cheiro na verdade é um pedido de socorro. Segundo um novo estudo na revista “Science”, quando a planta é atacada, o cheiro ativa a chegada de insetos que agem como pequenos bombeiros.

Funciona da seguinte forma: quando lagartas começam a mastigar a planta, sua saliva interage com os GLVs, causando uma alteração química na composição do GLV.

Essa nova composição atrai a chegada de insetos conhecidos, como hemípteras, que atacam os ovos e larvas da lagarta e evitam danos maiores à planta.

“É como se a lagarta chamasse a polícia sobre si mesmas”, disse o Dr. Ian Baldwin, ecólogo molecular do Instituto Max Planck de Ecologia Química, na Alemanha, e um dos autores do estudo. “Nós pensamos, como isso poderia evoluir dessa forma?”

Baldwin e seus colegas acreditam que a lagarta possa obter algum benefício dos GLVs.
“Isto é apenas uma especulação por enquanto, mas talvez os GLVs sejam antimicróbicos, e as lagartas se beneficiem obtendo um tipo de antisséptico bucal”, disse ele.

Pesquisas adicionais poderiam ajudar cientistas a desenvolver outras plantas da mesma forma, plantas que pudessem se proteger contra pragas.

    Leia tudo sobre: botânicadesertopredadores

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG