Nasa envia expedição ao Ártico para estudar efeitos do clima

Cientistas vão recolher dados sobre os processos físicos que provocam o aumento dos nutrientes em águas profundas

AFP |

Quase cinquenta cientistas da Nasa iniciam neste final de semana uma expedição ao Ártico para estudar como as mudanças climáticas afetam os oceanos e os ecossistemas marinhos, informou nesta terça-feira (21) a agência espacial americana.

Será a segunda e última expedição da missão Icescape (sigla em inglês para Impactos do Clima nos Ecossistemas e a Química do Meio Ambiente no Pacífico Atlântico). A expedição anterior aconteceu em 2010.

"Esperamos que esta segunda expedição nos permita ainda recolher dados sobre os processos físicos que provocam um aumento dos nutrientes em águas profundas e na superfície do oceano", disse Kevin Arrigo, da Universidade de Stanford de Palo Alto (Califórnia), cientista responsável pela missão.

"No ano passado, o Icescape permitiu uma série de descobertas sobre o ciclo do fitoplâncton", disse o comunicado. "Agora sabemos a que ritmo se desenvolve o fitoplâncton e como ele reage, e as informações obtidas durante essa nova expedição nos ajudarão a confirmar essas observações", disse o cientista.

O fitoplâncton, formado por organismos microscópios, tem um papel determinante na fixação do carbono mineral (CO 2 ) que se encontra no oceano e é a base alimentar da maioria das espécies marinhas.

Os 47 cientistas de diferentes disciplinas que participarão da expedição embarcarão na Guarda Costeira "Cutter Healy", que atracará em Dutch Harbor, Alasca, em 25 de junho.

Uma grande variedade de instrumentos será utilizada a bordo do navio e alguns aparelhos de medição serão implantados no oceano e no gelo do Ártico, disseram os cientistas.

Segundo eles, as observações e medições que serão feitas no local, combinadas com as obtidas por satélites da NASA, são esseciais para compreender o Ártico, onde os efeitos das mudanças climáticas são sempre ampliados.

A acelerada redução da superfície e da espessura do gelo que recobre o oceano Ártico são testemunho desta tendência de mudanças e os cientistas desejam saber como essas mudanças afetam o ecossistema e a fauna marinha.

    Leia tudo sobre: EUAmeioambienteclimaaquecimento

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG