Nações reunidas em Bangcoc tentam chegar a consenso sobre clima

Desafio é pactuar medidas de redução de emissões de gases para se chegar a um acordo na cúpula de Durban, em novembro

EFE |

A secretária executiva da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, Christiana Figueres, pediu nesta segunda-feira (4) aos 200 países reunidos em Bangcoc que mantenham o espírito de compromisso e flexibilidade conquistado em Cancún para que obtenham um consenso antes da cúpula de Durban (África do Sul).

"Se avançamos com esse mesmo espírito de compromisso e flexibilidade, acredito que alcançaremos novos avanços significativos em 2011", afirmou a costarriquenha na segunda jornada da conferência que se prolongará durante toda a semana.

Ela ressaltou que o primeiro desafio é pactuar as medidas de redução de emissões de gases poluentes que impedirão que a temperatura da Terra suba acima de 2 graus centígrados sobre os níveis pré-industriais.

A segunda meta é deixar pronto o grupo que supervisionará a distribuição de US$ 100 bilhões para ajudar as nações mais pobres a reduzir o efeito estufa.

Neste sentido, a funcionária das Nações Unidas destacou em declarações à Agência Efe que a América Latina tem pendente escolher seus representantes perante o comitê de transição do chamado Fundo Verde.

"Temos toda a confiança de que a região será capaz de decidi-lo antes do final da semana", disse.

Christiana também pediu aos países latino-americanos que definam suas políticas nacionais contra a mudança climática para combater o fenômeno de maneira mais eficaz.

"A América Latina sempre tem a responsabilidade de identificar quais são as oportunidades de redução que tem cada um dos países, assim como as necessidades de adaptação", assegurou a máxima responsável da reunião em Bangcoc.

Neste segundo dia de conferência, México e Peru analisaram fórmulas para lutar contra o aquecimento global em grupos de trabalho informais.

O negociador-chefe mexicano, Juan Mata Sandoval, apostou em alcançar um pacto mundial para combater o aquecimento global que distinga os compromissos dos países industrializados das necessidades das economias emergentes.

"Viemos a Bangcoc para ajudar a comunidade internacional a levar adiante os acordos de Cancún", afirmou Sandoval, diretor-geral de políticas de mudança climática da Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Naturais do México.

Ele afirmou que seu país está particularmente interessado nas chamadas Ações Nacionais de Mitigação Apropriadas (NAMAs).

O México também pretende reduzir até 2020 suas emissões de gases poluentes em 30% em comparação com os níveis de 1990.

Por sua vez, o Peru afirmou que contribuirá "na medida do possível" e que procura uma colaboração "aberta, franca e transparente" com o resto da comunidade internacional para que se conquistem benefícios para o planeta.

O líder da delegação peruana, Eduardo Durand, ressaltou que o mundo necessita reduzir emissões poluentes "de uma maneira muito ambiciosa" e muito rápida.

"Achamos que, na medida em que esta redução de gases do efeito estufa seja importante e de peso, teremos que investir menos no futuro na adaptação" ao fenômeno, disse Durand, diretor-geral de mudança climática, desertificação e recursos hídricos do Ministério do Meio Ambiente.

Ele ressaltou que o Peru é um território "altamente vulnerável" ao aquecimento global.

"Se a temperatura média da Terra continuar aumentando por causa destas emissões, os países vulneráveis, com poucos recursos e pouco preparados para enfrentar estes desastres, podem sofrer muito", alertou.

Representantes de quase 200 nações participam do encontro de Bangcoc na busca de políticas comuns contra a mudança climática, a primeira de duas reuniões preparatórias antes da cúpula de novembro em Durban.

    Leia tudo sobre: MUDANÇA CLIMÁTICA (Pauta)

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG