Mundo árabe tem países mais vulneráveis à mudança climática

Países do Oriente Médio podem sofrer com altas temperaturas, aumento do nível dos oceanos e escassez de água

Reuters |

Tempestades de areia ocorrem no Iraque, grandes enchentes assolam a Arábia Saudita e o Iêmen, o aumento do nível dos oceanos corrói a costa do Egito, o tempo quente e seco piora a escassez de água no Oriente Médio, que é a região mais carente do mundo nesse aspecto.

O mundo árabe já está sofrendo impactos coerentes com as previsões das mudanças climáticas. Embora cientistas estejam cuidadosos na hora de ligar eventos específicos ao aquecimento global, eles estão exortando os governos árabes a agir rapidamente para proteger os países de potenciais desastres.

Há grandes variações na emissão de gases causadores do efeito estufa na região, com taxas muito altas em várias nações produtoras de petróleo e gás. O Catar, por exemplo, possui o recorde mundial de emissões per capita, com 56,2 toneladas de dióxido de carbono em 2006, enquanto os egípcios emitiram apenas 2,25 toneladas cada um, mostraram dados da ONU (Organização das Nações Unidas).

Para Mohamed El-Ashry, ex-chefe do Fundo Global para o Meio Ambiente, uma instituição que ajuda os países em desenvolvimento nas questões climática e ambiental, a região não pode ficar inativa em relação a esses problemas. "É da natureza humana esperar até que haja uma crise, para aí sim agir", afirmou. "Mas você detesta esperar até que haja uma crise realmente grande, com um enorme número de pessoas sofrendo desnecessariamente."

Medidas para sanar os problemas ambientais na região também ajudarão a compensar futuros impactos no aquecimento global.

"Avaliar a questão da água, dizem, teria o benefício duplo de responder às questões da mudança climática, mas também avaliar os problemas que resultam do crescimento populacional, das administrações ruins e das fracas instituições relacionadas ao assunto da água," afirmou Ashry.

A população do mundo árabe triplicou desde 1970, para 360 milhões de pessoas. Em 2050, esse número chegará a quase 600 milhões, de acordo com o Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento).

A escassez de água, o maior desafio da região, já é imensa. Até 2015, os árabes terão de sobreviver com menos de 500 metros cúbicos de água por ano, um nível classificado como escassez severa diante de uma média mundial de mais de 6.000 metros cúbicos por habitante.

Esse alerta foi dado em um relatório do Fórum Árabe para o Ambiente e o Desenvolvimento (Afed), que disse que as reservas de água na região caíram a um quarto dos níveis de 1960.

As mudanças climáticas agravarão a crise em uma região onde as temperaturas podem subir dois graus Celsius nos próximos 15 ou 20 anos e em mais de quatro graus até o final do século, de acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas.

A escassez de água e o aumento do nível dos oceanos são uma realidade, mas a conscientização pública no mundo árabe está atrasada.

"As pessoas ainda não estão cientes desses impactos," afirmou o secretário-geral do Afed, Najib Saab. "Quando você fala de mudanças climáticas, eles acham que o impacto será na lua ou em outros países."

Líderes árabes lidam com a situação da água de forma séria, mas muito frequentemente deixam a questão das mudanças climáticas para os ministros do Meio Ambiente.

"Os ministros do Meio Ambiente são frequentemente os mais fracos nesses países", afirmou Habib Habr, diretor regional do Programa da ONU para o Meio Ambiente. "As políticas estão lá, mas geralmente o que vemos é a falta de implementação ou execução da lei."

Em uma região cheia de conflitos e comandada por governantes irresponsáveis e elites que servem apenas a si próprias, as distrações políticas levam as mudanças climáticas e outros assuntos sociais para a parte de baixo da lista de prioridades, embora a Tunísia, a Jordânia e o Omã sejam mais ativos que a média.

    Leia tudo sobre: aquecimento globaloriente médio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG