Mudança nos oceanos pode acabar com vida marinha ainda neste século

De acordo com cientistas, alterações no pH da água estão acontecendo rápido demais

EFE |

Getty Images
Impacto da mudança climática põe corais em risco
As emissões de gás carbônico provocadas pelo homem não causam apenas o aquecimento global da Terra, mas também alteram o pH dos mares e oceanos, elevando sua acidez até níveis que poderiam acabar com a vida marinha em poucas décadas.

A advertência faz parte de um estudo publicado nesta quinta-feira na revista "Science" e do qual participaram pesquisadores do Conselho Superior de Pesquisas Científicas (CSIC), da Instituição Catalã de Pesquisa e Estudos Avançados (ICREA), e da Universidade Autônoma de Barcelona (UAB).

O estudo explica que, nos últimos 300 milhões de anos, a química marinha sofreu "profundas mudanças", embora nenhuma "tão rápida, grande e global como a atual".

Leia mais:
Acidificação do oceano faz com que peixe-palhaço vire presa fácil
Cientistas revelam planos para salvar corais da extinção
Cientistas defendem reservas naturais oceânicas itinerantes

A acidificação marinha acontece à medida que o CO 2 emitido pela atividade humana - originada fundamentalmente pela queima de combustíveis fósseis - é absorvido pelos oceanos.

Esse processo prejudica muitas formas de vida marinha e interfere principalmente no desenvolvimento das espécies com carapaça ou esqueleto de carbonato cálcico, como corais e moluscos.

Em declarações à Agência Efe, o pesquisador do Instituto de Ciências do Mar Carles Pelejero adverte que a acidificação dos oceanos já está afetando algumas espécies de fitoplânctons próprias de altas latitudes que são a base principal da dieta de salmões e baleias, entre outros animais marítimos, e portanto um elo essencial das redes tróficas dos oceanos.

Segundo este especialista, "as águas de altas latitudes, como o oceano Ártico ou o Austral, que são muito frias e, portanto, muito ácidas e ricas em CO2, alcançarão em uma ou duas décadas condições químicas que impedirão que os organismos com carapaça sobrevivam".

Além disso, os experimentos desenvolvidos em áreas mais quentes com corais, como a grande barreira australiana, demonstraram que, "neste lado (do Pacífico), esta cadeia de corais está bastante afetada, enquanto na parte do Índico - provavelmente porque estas águas são mais temperadas - os corais continuam crescendo".

Atualmente a zona mais afetada, segundo Pelejero, é a costa oeste do Pacífico, onde os criadores de ostras já percebem que a fertilidade e o crescimento dos moluscos são cada vez menores.

"O estudo permite aventurar que nas zonas tropicais - que por terem águas mais quentes não toleram tanto CO 2 -, a insaturação chegará mais tarde, em cinco décadas", especificou.

Embora as pesquisas sobre a acidez dos oceanos costumem basear-se em simulações realizadas em aquários, para este estudo foram realizadas análises paleontológicas e geoquímicas.

O trabalho também detalhou momentos da história da Terra associados com uma profunda acidificação, como o máximo térmico do Paleoceno-Eoceno há 56 milhões de anos, quando as emissões vulcânicas e os hidratos de metano congelados nos fundos marítimos liberaram na atmosfera grandes quantidades de CO 2.

Até mesmo nesse momento, quando aconteceram grandes extinções, a injeção de CO2 aos oceanos foi, pelo menos, dez vezes mais lenta que a atual, o que permite prever consequências mais catastróficas à mudança antropogênica atual", advertiu Pelejero.

A única solução é reduzir as emissões de CO2 de maneira drástica e mudar o mais rápido possível o atual modelo energético, ressaltou outra colaboradora do estudo, a pesquisadora Patricia Ziveri.

    Leia tudo sobre: mudanças climáticasacidificaçãooceanos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG