Mudança no padrão dos ventos aumenta taxa de reprodução do albatroz

De acordo com estudo, aquecimento global é o responsável pelo crescimento da população da ave

Alessandro Greco, especial para o iG |

Christophe Guinet]
Albatroz-errante está se reproduzindo mais por causa dos fortes ventos
Nada como um pequeno empurrão dos ventos para mudar a vida de um albatroz-errante ( Diomedea exulans ). Cientistas descobriram que o pássaro com maior envergadura de asa no mundo e que passa a maior parte de sua vida voando está se reproduzindo mais. O motivo está na mudança do padrão dos ventos que fez com que suas viagens ficassem mais rápidas. Consequentemente, eles têm mais tempo para se alimentar e também se reproduzir quando chegam nas nas ilhas Crozet – arquipélago no sul do oceano Índico.

“Ficamos surpresos com diferentes aspectos da resposta dos albatrozes às mudanças no vento. O mais surpreendente foi o aumento de massa nos animais, uma grande mudança para esta espécie”, afirmou Henri Weimerskirch, do Centro Nacional de Pesquisa Científica da França, principal autor da pesquisa publicada nesta quinta-feira (12) no periódico científico Science. De acordo com o estudo, os animais ganharam em média um quilo de massa em comparação à pesagem feita em 1990, chegando a pesar até 11 quilos.

O grande responsável pela mudança na vida dos albatrozes parece ser, segundo os pesquisadores, o aquecimento global, que tem como consequências a alteração no padrão dos ventos. Eles passaram a soprar mais forte e mais em direção ao Sul. Os efeitos positivos para o albatroz, porém, não devem durar, pois os ventos irão se tornar muito fortes para eles, tornando as ilhas um local menos interessante.

Nem tudo é positivo
O fato de o albatroz ser beneficiado pelas mudanças climáticas deve desfavorecer outras espécies. A expectativa é que com o aumento da população de albatrozes, animais que servem de alimento para eles devem ficar cada vez mais raros. Porém, os pesquisadores advertem que ainda é preciso fazer uma análise destas consequências. “Não há dados de longo prazo da quantidade de peixes e lulas no oceano antártico, especialmente das espécies consumidas pelos albatrozes”, explicou Weimerskirch.

Leia mais:
Mudança climática cria descompasso para aves migratórias
Descoberta de fóssil destrona albatroz como o pássaro com maior envergadura
Mudança climática provoca "estresse térmico" nas aves europeias

Outras espécies de aves devem ser também afetadas pelas mudanças. “Não analisamos ainda outras espécies porque não temos dados de longo prazo, mas diferentes espécies de albatrozes e petréis provavelmente são afetadas por essas mudanças também”, afirmou Weimerskirch.

O estudo é um dos poucos a relacionar mudanças climáticas e ventos. Durante quarenta anos, foram coletados dados sobre a população de albatrozes que vivem nas ilhas Crozet. Por décadas, pesquisadores têm monitorado a alimentação e a reprodução destes animais e desde 1989, equipamentos via satélite têm sido usados para acompanhar as migrações da espécie.

    Leia tudo sobre: albatrosanimaismudanças climáticas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG