Milhares protestam na Alemanha contra transporte de lixo nuclear

Ativistas retardam envio de carga nuclear da França de volta à Alemanha

Reuters |

Dezenas de milhares de manifestantes alemães participaram neste sábado do maior protesto antinuclear em anos, enquanto ativistas retardaram o envio do primeiro carregamento de lixo radioativo em dois anos no trajeto de volta da França para a Alemanha.

O transporte se tornou uma questão política tensa esse ano, devido a reações contra a decisão da chanceler, Ângela Merkel, de prolongar a vida útil das 17 usinas nucleares da Alemanha, apesar da enorme oposição da opinião pública.

O lixo transportado no sábado teve origem na Alemanha e foi reprocessado na usina francesa do grupo Areva em La Hague para armazenamento em Gorleben, no norte da Alemanha.

Merkel apelou aos manifestantes para que não cometessem atos criminosos enquanto tentam parar o comboio de 11 vagões de trem que carregam 154 toneladas de resíduos.

A composição já havia sido atrasada por horas por outro protesto perto da fronteira da Alemanha com a França, quando milhares de ativistas bloquearam os trilhos. Espera-se que o carregamento chegue em Gorleben, perto de Dannenberg, no domingo.

Durante o protesto em Dannenberg, milhares de manifestantes ouviram discursos e música, enquanto outros fizeram planos para tentar parar, pelo menos temporariamente, o comboio, antes que ele chegue em Gorleben.

"Merkel provocou a sociedade ao aumentar o tempo de vida útil da energia nuclear e essa é a resposta do povo", disse Juergen Trittin, um dos líderes do Partido Verde.

Os organizadores estimaram que 50 mil pessoas participaram da manifestação, mas a polícia disse que havia mais de 10 mil.

O governo de Merkel perdeu popularidade em grande parte por causa da sua decisão de estender a vida nuclear útil em mais ou menos 12 anos, além da data prevista para o seu encerramento, fixada para 2021. A Alemanha produz 23 por cento da sua energia a partir de fonte nuclear.

Os manifestantes tiveram de caminhar por campos e estradas encharcados, depois de dias de chuva forte, para chegar ao local da manifestação, mas estavam todos animados.

"Estamos aqui para mostrar que não vamos aceitar a política nuclear do governo", disse Giselher Kuehn, que estava em cima de um dos 600 tratores agrícolas que participavam do protesto.

A aposentada Elke Hinrichsmeyer, de 71 anos, da cidade de Buchholz, disse: "Estamos horrorizados porque esse governo quer estender a utilização da energia nuclear. Eles ignoraram a vontade do povo."

"Somos contra a energia nuclear, porque os resíduos permanecerão radioativos durante milhares de anos", disse Renate Komm, de 72 anos.

Ativistas antinucleares entraram em atritos com a polícia por diversas vezes no passado. Dessa vez, um contingente de cerca de 20 mil policiais estava a postos para proteger o carregamento.

Os manifestantes temem que o depósito de Gorleben, construído como um local de armazenamento temporário, possa vir a se tornar permanente. O Greenpeace diz que o local, dentro de uma mina de sal abandonada, não seria seguro, no longo prazo.

    Leia tudo sobre: alemanhalixo nuclear

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG