México analisará estudo sobre poluição em destino turístico

De acordo com artigo científico, aquífero de Iucatã, no leste do México, está contaminado com remédios, narcóticos e pesticidas

EFE |

Getty Images
Inacreditável: estudo afirma que contaminação em Riviera Maia é fruto do vazamento de águas residuais
O Governo mexicano anunciou neste domingo que analisará as conclusões de um estudo publicado pela revista "Environmental Pollution" que assinala que o sistema aquífero da península de Iucatã está poluído com remédios, narcóticos, pesticidas e outros produtos químicos.

Em comunicado a Secretaria (Ministério) do Meio Ambiente do México (Semarnat) informa que "iniciará a análise correspondente" do exposto na publicação científica para pôr a situação ao conhecimento dos organismos encarregados da proteção da natureza e da saúde.

A nota cita concretamente a Comissão Federal para a Proteção contra Riscos Sanitários (Cofepris), a Comissão Nacional de Água (Conagua) e a Procuradoria Federal de Proteção ao Ambiente (Profepa) como as três instâncias governamentais que, "no marco normativo que os regula", pudessem tomar medidas no assunto.

Segundo a Semarnat uma das conclusões do estudo é que "o sistema aquífero da península de Iucatã, no leste do México, está contaminado com remédios, narcóticos, pesticidas e outros produtos químicos, e se suspeita que o principal causadora é o setor hoteleiro".

A análise foi elaborada por uma equipe de cientistas mexicanos e canadenses liderado pelo cientista Chris Metcalfe.

O especialista disse à Agência Efe que a contaminação do aquífero da península de Iucatã é fruto do vazamento de águas residuais e que embora se desconheça seu mecanismo exato as maiores suspeitas recaem sobre a indústria turística.

"Em muitas destas áreas se têm sistemas de coleta de águas residuais não adequados, por isso que podem acontecer vazamentos de tanques sépticos. A outra possibilidade é que nos campos de golfe se utiliza a irrigação de águas residuais", explicou Metcalfe.

O estudo constata que vários resíduos estão vazando para os aquíferos da Riviera Maya, uma das zonas mais turísticas do México, e contaminando o labirinto de cavernas aquáticas da região, os chamados "cenotes", um de seus principais atrativos turísticos da península, e fluem dali para o mar do Caribe.

A poluição, a pesca excessiva, as doenças de coral e o aquecimento global causado pela mudança climática podem ter contribuído para a perda de até 50% dos corais nesta custa desde 1990, acrescenta.

Em sua breve nota para a Semarnat lembra que "a península de Iucatã se caracteriza por contar com um solo altamente calcáreo, assim como ter os lençóis freáticos a muito pouca profundidade, por isso que a instalação de drenagens tradicionais foi sempre um de seus principais problemas, que deverá ser levado em conta em qualquer análise".

    Leia tudo sobre: cancúncontaminação

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG