Mau tempo adia retirada de peça danificada em poço da BP

A decisão não tem relação com os sistemas tropicais que se deslocaram para o Atlântico, sem ameaçar o golfo do México

Reuters |

 A BP adiou, devido ao mau tempo, a retirada de uma válvula danificada que está em cima do seu poço acidentado no golfo do México, disse na segunda-feira (30) a principal autoridade norte-americana envolvida na operação.

"Estamos numa espera climática agora", disse o almirante reformado da Guarda Costeira Thad Allen, lembrando que há ondas de 1,8 a 2,4 metros no local do poço danificado, na costa da Louisiana.

Allen falou por telefone a jornalistas de uma plataforma onde aguarda a retomada da perfuração de um poço auxiliar, que interceptará o poço e tampará definitivamente o vazamento que começou em 20 de abril e durou até meados de julho.

O prosseguimento da operação depende da substituição da válvula acidentada por outra peça, segundo Allen. Ele acrescentou que o mau tempo deve durar dois ou três dias, de modo que a substituição da válvula ficará para o fim da semana, e não mais para terça ou quarta-feira, conforme previsto inicialmente.

Ele disse que a operação "estava pronta para acabar logo depois do Dia do Trabalho", 6 de setembro, mas que "obviamente isso irá alterar" a data. "Se por alguma razão o tempo der trégua, vamos imediatamente", afirmou.

Allen explicou que o mau tempo não tem relação com os sistemas tropicais que se deslocam na segunda-feira pelo Atlântico, sem ameaçar o golfo do México.

A válvula colocada na boca do poço, 1.600 metros abaixo da superfície, é crucial nas investigações civis e criminais sobre o acidente de 20 de abril, quando uma explosão numa plataforma de petróleo matou 11 pessoas e deu origem ao pior vazamento submarino da história.

A troca serve não só para preservar a peça, mas também para que o poço tenha uma válvula em funcionamento para "segurar" a pressão que pode ocorrer quando os técnicos, usando o poço auxiliar, jogarem lama e cimento no fundo do poço danificado, 4.000 metros abaixo do leito marinho, a fim de "sufocar" o reservatório, segundo Allen.

Ele afirmou na segunda-feira que o mar agitado atrapalha a retirada da peça, porque a plataforma oscila para cima e para baixo, fazendo com que o cano que ergue o equipamento chacoalhe de um lado para outro, como um pêndulo.

    Leia tudo sobre: vazamentopetróleoBP

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG