Maré negra nos EUA: Halliburton não testou cimento

Companhia sabia, desde março, que o tipo de produto injetado no poço danificado seria instável, porém, não fez nada

AFP |

O grupo americano Halliburton reconheceu que não realizou um teste importante do cimento injetado nos poços que causaram a maré negra do Golfo do México, após uma mudança da fórmula da empresa BP antes da explosão de 20 de abril.

O grupo americano, que executou o fechamento do poço, respondeu na quinta-feira (28) em um comunicado às conclusões de uma comissão especial investigadora sobre a maré negra, segundo as quais a companhia tinha desde março em seu poder os resultados que indicavam que o tipo de produto injetado seria instável, mas não fez nada.

"A Halliburton recebeu recentemente os resultados e continua realizando sua análise", escreveu o grupo. Reconheceu, entretanto, que após quatro meses de testes internos sobre o cimento utilizado para o revestimento do poço, a BP ordenou modificar a composição da mistura utilizada.

Agora, "foram realizados testes, em particular relativos ao ritmo de espessamento (do cimento) e sua força de compressão" com esta nova fórmula, mas "não foram realizados testes sobre a estabilidade da espuma", explicou a empresa em um comunicado.

    Leia tudo sobre: vazamentopetróleoBPGolfo do México

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG