Maré negra do Golfo de México está se fragmentando

A Guarda Costeira dos EUA alerta que a mancha está se dividindo em porções menores

AFP |

© AP
Pelotas de betume originadas do vazamento de petróleo da Deepwater Ocean chegam à praia de Port Fouchon, na Louisiana
A enorme maré negra no Golfo do México está mudando sua forma e se fragmentando em manchas menores, afirmou nesta sexta-feira um oficial da Guarda Costeira dos Estados Unidos.

Mais de três semanas depois que uma explosão afundou uma plataforma de petróleo da britânica BP no Golfo do México, a maré negra continua sem chegar às ameaçadas costas dos estados da Louisiana, Mississipi e Alabama, apesar do petróleo continuar vazando no mar.

"Temos informes da existência de pelotas de betume que podem ser tiradas manualmente, mas, nesse momento, a maior parte do petróleo está longe da costa", afirmou o almirante Thad Allen, da Guarda Costeira.

"Acho que a maré está mudando de forma. Não creio que continuaremos tendo por muito tempo uma grande maré", declarou durante uma coletiva de imprensa em Dauphin Island, Alabama.

Ele explicou que, quando o petróleo sobe à superfície, ele se separa em várias manchas.

"Isso é bom e ruim ao mesmo tempo. Como se dispersa amplamente, é difícil de manejar, mas, ao mesmo tempo, o vazamento chega à costa em pequenas quantidades", acrescentou.

A Guarda Costeira trabalhajunto com equipes da BP e outras companhias petroleiras para controlar a maré e proteger as linhas costeiras particularmente òs frágeis pântanos da Lousiana, habitat de espécies ameaçadas de extinção.

Especialistas assinalam que o vazamento pode ser dez vezes mais intenso que as estimativas oficiais de 800.000 litros diários.

A plataforma Deepwater Horizon, dirigida pela petroleira British Petroleum, mas de propriedade da Transocean, sofreu em 20 de abril uma explosão que provocou seu posterior afundamento e a morte de 11 trabalhadores.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG