Mancha de óleo atinge canais do litoral noroeste da Flórida

Petróleo, alcatrão e espuma chegaram à fronteira do estado com o Alabama

EFE |

© AP
Sacos de alcatrão recolhidos do canal de Perdido Passa, na fronteira entre Flórida e Alabama
A mancha negra de petróleo do Golfo do México já atinge o litoral de vários condados ao noroeste do estado americano da Flórida e algumas ondas chegaram ao canal de Perdido Pass, na área de divisa com o estado do Alabama, informaram hoje as autoridades dos Estados Unidos.

O Departamento de Proteção Ambiental da Flórida (DEP, na sigla em inglês) confirmou a chegada de algumas ondas de petróleo e espuma a Perdido Pass, a desembocadura do rio de mesmo nome, no condado de Escambia, onde estão as famosas praias de Pensacola e Perdido Key.

Os relatórios indicam que equipes de reconhecimento detectaram fragmentos de alcatrão e manchas de petróleo no litoral noroeste da Flórida.

Uma "grande mancha de petróleo degradado foi detectada a 14 quilômetros ao sul de Pensacola Pass" e outra a cerca de 9 quilômetros do condado de Escambia, em Panhandle, no extremo noroeste da Flórida, indicou a mesma fonte.

Veja o infográfico da evolução da mancha de petróleo no Golfo do México

Em 4 de junho, as primeiras formações de alcatrão foram detectadas nas praias do parque nacional Gulf Islands Seashore, na baía de Pensacola.

Desde então, pequenas porções de alcatrão continuam chegando lentamente, mas de forma regular, a uma ampla área do litoral dos condados situados ao noroeste da Flórida.

A zona de Perdido Pass, que forma um canal que comunica a baía de Perdido com o Golfo do México, permanecerá fechada com a alta da maré para prevenir que a mancha negra penetre na baía.

As autoridades instalaram uma cadeia de barreiras flutuantes para proteger as enseadas durante a maré alta. A passagem de Perdido voltará a abrir ao trânsito de navios nos momentos de maré baixa.

No total, já foram instalados 82 quilômetros de barreiras sintéticas flutuantes ao longo das áreas do distrito de Panhandle mais expostas à mancha negra.

Além disso, várias embarcações providas de equipamentos especiais para sugar matéria em suspensão depositada no mar já operam no interior da baía de Pensacola e em sua desembocadura, assim como em águas do litoral.

"Os próximos dois dias são potencialmente alguns dos piores para nós", disse aos jornalistas Grover Robinson, presidente da comissão do condado de Escambia.

O governador da Flórida, Charlie Crist, recomendou aos empresários de hotelaria que tiveram seus negócios afetados pela mancha negra que apresentem reivindicações à empresa British Petroleum (BP) e solicitem indenizações por danos e prejuízos.

Alguns proprietários de hotéis na região de Panhandle asseguram que suas receitas caíram cerca de 60%.

Até o momento, foram registradas 10.138 reivindicações apresentadas à BP na Flórida por empresas e trabalhadores afetados em consequência do vazamento de petróleo.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG