Mais de mil espécies foram descobertas na Nova Guiné em 10 anos

WWF aponta riscos de extinção das novas espécies caso desmatamento na ilha não seja controlado

iG São Paulo |

 Ratos de um metro, rãs com caninos, cobras cegas e um golfinho de cabeça redonda fazem parte d1.060 novas espécies descobertas em 10 anos na ilha de Nova Guiné, dotada de uma impressionante biodiversidade, anunciou nesta segunda-feira (27) o Fundo Mundial para a Natureza (WWF).

Os cientistas fizeram as surpreendentes descobertas, incluindo dezenas de borboletas e invertebrados, a um ritmo de duas por semana entre 1998 e 2008, informou o WWF em um relatório sobre a biodiversidade desta ilha compartilhada pela Indonésia e Papua Nova Guiné.

O estudo divulgado pela WWF revela as descobertas científicas realizadas durante dez anos, entre as quais se encontram 218 plantas, 43 répteis, 12 mamíferos, 580 invertebrados, 134 anfíbios, 2 pássaros e 71 peixes.

"Este estudo mostra que as selvas e os rios da Nova Guiné se encontram entre os mais ricos, em termos de biodiversidade, no mundo", resumiu Neil Stronach, chefe para a Melanésia Ocidental do Fundo Mundial para a Natureza

"Esta biodiversidade é tamanha que ainda atualmente é possível fazer novas descobertas", segundo o relatório.

A Nova Guiné, que se estende da Ásia à Oceania, só cobre 0,5% da superfície da Terra, mas possui até 8% das espécies catalogadas no mundo.

Um único quilômetro quadrado de floresta tropical pode abrigar mais de 150 espécies de pássaros, de plumagens muito coloridas. Os cientistas viram igualmente a maior borboleta existente, com uma envergadura de 30 cm, e ratos gigantes de cerca de um metro de comprimento.

Entre as 1.060 espécies descobertas em 10 anos, uma das mais notáveis é a do golfinho de cabeça redonda e nadadeiras levantadas, que vive em águas pouco profundas das desembocaduras dos rios.

Esta descoberta, feita em 2005 na Papua-Nova Guiné, foi a primeira de uma nova espécie de golfinhos em três décadas, segundo o WWF.

Também foram registradas 580 novas espécies de invertebrados, entre elas um caracol amarelo fluorescente, e 71 peixes.

Entre as 43 espécies de répteis figura uma das tranquilas serpentes do mundo: ela mede apenas de 12 a 14 cm, não vê nada, não morde e carece de veneno.

Litoria sauroni é o nome que os cientistas deram a uma rã cujos olhos com manches rubro-negras recordam Sauron, o personagem maléfico da saga "O senhor dos anéis". Uma rã mede apenas um centímetro de comprimento, enquanto que outra possui patas aladas.

Apesar da empolgação dos cientistas por estas descobertas, o WWF adverte que a intensificação das atividades humanas ameaça seriamente o ecossistema de Nova Guiné.

Muito rica em matérias-primas, a Nova Guiné é, de fato, vítima do desmatamento, legal ou não, para o desenvolvimento de minas, plantações e a construção de estradas."Este relatório mostra que as florestas e rios da Nova Guiné se encontram entre os mais ricos e com maior biodiversidade do mundo. Mas também mostra que a descontrolada demanda humana pode levar este rico ambiente à quebra", disse Neil Stronach, representante da WWF.

O organismo ressaltou que, apesar de sua remota localização, os habitats da ilha estão sendo destruídos "de forma alarmante" devido a graves ameaças, como "desmatamento, mineração, comércio de animais silvestres e expansão da agricultura, em particular a exploração do azeite de palma".

A ilha da Nova Guiné contém a terceira maior extensão de floresta do mundo e seu território é compartilhado por Indonésia, na parte ocidental, e Papua Nova Guiné, na oriental.

"A estas ameaças ambientais se soma a mudança climática, que aumenta a quantidade de incêndios florestais, a erosão e a afluência da água do mar nas áreas costeiras habitadas pelas espécies animais", enfatiza WWF.

(Com informações da EFE e da AFP)

    Leia tudo sobre: NOVA GUINÉconservaçãobiodiversidadewwf

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG