La Niña parece ter atingido pico, afirma agência da ONU

Fenômeno que causa enchentes no Pacífico e na América do Sul deve desaparecer entre março e maio, dizem meteorologistas

Reuters |

O fenômeno climático La Niña, que normalmente está relacionado com fortes chuvas e enchentes na região Ásia-Pacífico e na América do Sul e secas na África, parece ter atingido o seu pico e espera-se que desapareça entre março e maio, afirmou a Organização Meteorológica Mundial (WMO), nesta sexta-feira.

Um padrão entre fraco e moderado do La Niña tem resfriado a região tropical do Pacífico desde outubro, um evento consideravelmente mais fraco do que em 2010 e 2011, disse a agência das Nações Unidas em um comunicado.

Leia também:
Meteorologistas preveem 2012 entre os 10 mais quentes desde 1850

Anos de El Niño dobram as chances de conflitos civis, diz estudo
La Niña pode durar até maio, dizem meteorologistas
Organização afirma que 2011 foi o ano de La Niña mais quente
ONU considera urgente estudar correntes atmosféricas

"Modelos de previsões e interpretações de especialistas sugerem que o La Niña está próximo de sua força máxima, portanto é provável que comece a diminuir lentamente nos próximos meses", disse a WMO.

"Entretanto, além de maio, há incertezas sobre o que é esperado para o Oceano Pacífico, com nenhuma preferência em particular para El Niño, La Niña ou condições neutras", afirmou a agência, referindo-se ao fenômeno oposto, que aquece o Pacífico.

    Leia tudo sobre: climala niñael niñometeorologia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG