Amostras de animais e de árvores estão sendo coletadas. Relatório preliminar deve ser publicado em março

As autoridades japonesas começaram a estudar os animais e vegetais ao redor da central nuclear acidentada de Fukushima com o objetivo de determinar o impacto de fortes radiações ionizantes em seus genes, indicou nesta segunda-feira uma autoridade governamental.

Leia também: Há radiação em toda parte, mas cientistas discordam sobre o risco

Os cientistas extraem amostras de ratos-do-campo, pinheiros vermelhos, certos tipos de crustáceos e outros elementos da flora e da fauna selvagens dentro e perto da região proibida de 20 km de raio ao redor do complexo atômico, explicou um funcionário do Ministério do Meio Ambiente.

"Trata-se de estudar os efeitos da fonte de radioatividade presente neste perímetro sobre os cromossomos e funções reprodutoras de animais e plantas", disse.

Leia mais:
Vídeo: Radiação ainda afeta fauna e flora de Chernobyl
Acidente de Chernobyl completa 25 anos
Após 25 anos, Chernobyl ainda é perigo para o meio ambiente
Javalis radioativos são legado de Chernobyl

O ministério prevê publicar em março um primeiro informe sobre estas pesquisas de especialistas na zona proibida onde vivem muitos animais em estado selvagem.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.