Japão afirma que Fukushima é "de natureza diferente" de Chernobyl

Porta-voz do Japão destacou que algumas lições tiradas de Chernobyl estão sendo aplicadas para enfrentar a crise em Fukushima

AFP |

Os acidentes nucleares registrados em Chernobyl e Fukushima são "de natureza diferente", enfatizou mais uma vez o governo japonês nesta terça-feira (26), por ocasião do 25º aniversário da catástrofe nuclear na Ucrânia.

"Está claro que os dois casos são de natureza diferente", declarou Yukio Edano, porta-voz do governo japonês.

"A quantidade radioativa que escapou (em Fukushima) é aproximadamente um décimo do que escapou em Chernobyl", insistiu.Em outras ocasiões, a Agência Internacional para a Energia Atômica (AIEA) enfatizou que o acidente de Fukushima era muito diferente do de Chernobyl, principalmente no que diz respeito ao nível das emissões radioativas.

O governo japonês também destacou sua transparência sobre o acidente e os níveis de radioatividade, muito diferente, segundo Edano, do que foi feito pelas autoridades ucranianas logo após o acidente em Chernobyl.

Isso não impediu uma enxurrada de críticas sobre a resposta japonesa à tragédia, que muitos consideram lenta, nem o surgimento de uma forte oposição ao uso de energia nuclear no Japão, terceira maior economia mundial e a terceira maior potência em energia atômica, com 53 reatores, atrás apenas de Estados Unidos e França.O governo do Japão também afirmou nesta terça-feira (26) que as lições tiradas da tragédia estão ajudando na luta para controlar a situação na usina nuclear de Fukushima.

Os dois desastres atingiram o nível máximo de gravidade da Escala Internacional Nuclear e de Fatos Radiológicos (Ines) e as autoridades japonesas admitem que as lições tiradas de Chernobyl estão sendo aplicadas para enfrentar a crise em Fukushima, mas ressaltam que há diferenças notáveis entre os dois incidentes.

Conhecimento compartilhado
Edano, disse que os estudos sobre as consequências da explosão do reator quatro da central ucraniana para os habitantes da região se transformaram em um "conhecimento compartilhado" por toda a humanidade.

Segundo ele, por isso elas contribuíram indiretamente para o estabelecimento de um perímetro de segurança em torno de Fukushima, que afetou cerca de 80 mil moradores de um raio de até 20 quilômetros em torno da central e que será ampliado em meados de maio para outras cinco regiões a até 40 quilômetros da usina.

Nesta terça-feira, 25 anos após o acidente de Chernobyl, 87 ONGs fizeram uma chamada conjunta no Japão para "uma sociedade livre de energia nuclear" e anunciaram ações em todo o país para conseguir o fechamento permanente das centrais de Fukushima Daiichi e Fukushima Daini.

Também reivindicaram a suspensão do programa de reciclagem de resíduos nucleares e dos planos para a construção de novas centrais no Japão, além do fechamento dos reatores mais antigos.

Em Hiroshima, cerca de 80 pessoas, entre elas vários sobreviventes da bomba atômica lançada pelos EUA sobre a cidade em 1945, protagonizaram um ato no Parque Memorial da Paz.

Os ativistas afirmavam que a lição de Chernobyl deve ser que os acidentes podem voltar a ocorrer, porque não há nenhuma usina nuclear "perfeita".

O Governo japonês assegurou que, após o acidente em Fukushima, revisará a segurança das usinas nucleares do país, onde a maioria carece de um sistema alternativo aos geradores de emergência que falharam na central de Fukushima Daiichi, segundo relatórios divulgados pela agência local "Kyodo".

O tsunami de 11 de março danificou esses geradores e desencadeou a atual crise nuclear no país. Desde então, operários tentam esfriar os reatores um, dois e três, além da piscina de combustível do reator quatro.

Um de seus principais desafios é a água radioativa que inunda várias áreas da usina.

Os técnicos contam com a ajuda de robôs teleguiados que atualmente são utilizados para inspecionar essa unidade, informou a emissora de televisão "NHK".

A operadora da central, a Tepco, afirmou que prevê devolver uma refrigeração estável aos reatores até meados de julho.

    Leia tudo sobre: JapãoterremotonuclearChernobyl25anos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG