Itália apresenta embaixada ecológica no Brasil

Segundo o chanceler italiano, Franco Frattini, o projeto Embaixada Verde "nasce da exigência de uma mais atenta e eficiente gestão pública"

Agência Ansa |

A Embaixada italiana em Brasília será reapresentada nesta terça-feira como a primeira sede diplomática do país europeu a ser mantida por energias renováveis, uma iniciativa que faz parte das celebrações da Festa Nacional da República Italiana, festividade comemorada nesta quarta-feira.

"Num panorama de redução de gastos, o projeto 'Embaixada Verde' nasce da exigência de uma mais atenta e eficiente gestão pública e permite valorizar, entre as tecnologias de ponta disponíveis no campo das energias renováveis, uma fonte de energia com taxa zero de emissão da qual o Brasil dispõe em abundância", explicou o chanceler italiano, Franco Frattini, ao falar sobre o tema.

A iniciativa prevê a instalação de um primeiro lote de 405 paineis fotovoltaicos nos próximos quatros meses, medida que pretende tornar o prédio completamente autossuficiente em energia.

O projeto Embaixada Verde é promovido pelo Ministério das Relações Exteriores da Itália junto às autoridades brasileiras, em colaboração com a Enel Green Power, empresa dedicada ao desenvolvimento de energia sustentável do grupo italiano Enel.

"Para a Aneel [Agência Nacional de Energia Elétrica], a nossa 'Embaixada Verde' representa um laboratório e um projeto-piloto, enquanto para a Itália constitui uma vitrine da tecnologia avançada da Enel em um setor crucial como o de energia fotovoltaica", explicou à ANSA o embaixador italiano no Brasil, Gherardo La Francesca.

Após a instalação dos paineis, será feita a ligação com a instalação elétrica do prédio e com a rede de distribuição de Brasília.

Espera-se que até o final do ano a produção de energia solar atinja os 50 quilowatts, e que este número seja suficiente para abastecer boa parte da demanda por energia do prédio da embaixada.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG