De acordo com a organização, a pesca de arrasto de profundidade recebeu, em 15 anos, 346 milhões de reais em subvenções

Manifestantes escreveram
Divulgação
Manifestantes escreveram "Stop subsidies" (Suspendam os subsídios) em quatro barcos de arrasto em porto espanhol
Ativistas do Greenpeace pintaram esta segunda-feira (17) com letras brancas o lema "Stop subsidies" (Suspendam os subsídios) em quatro barcos de arrasto ancorados no porto galego de Vigo (noroeste da Espanha), "para denunciar a superexploração dos oceanos".

Aproveitando a escuridão, os membros da organização ecologista, embarcados em uma lancha, se aproximaram ao amanhecer dos barcos, que usam redes que arrastam no fundo do mar para capturar o pescado.

Um método que "danifica as profundidades marinhas e destrói tudo em seu caminho", denunciou a organização em um comunicado.

"O Greenpeace quer ajudar a Comissão Europeia a identificar a sobrepesca, que é um dos principais problemas dos nossos mares", declarou em comunicado Celia Ojeda, encarregada da campanha de Oceanos do Greenpeace.

Leia mais: Atuns correm sério risco de extinção

"Pedimos que se reduza a sobrepesca e se dê prioridade ao desmantelamento urgente dos barcos mais destrutivos. A Espanha deveria proteger os oceanos e a pesca de lixo por ser mais sustentável com o meio marinho, o que garantiria o emprego dos pescadores e marisqueiros no futuro", acrescentou.

Segundo a organização, a pesca de arrasto de profundidade "recebeu, em 15 anos, 142 milhões de euros (346 milhões de reais)" em subvenções.

"O Greenpeace pretende com esta ação chamar atenção do governo espanhol e da Comissão Europeia para que parem de subvencionar estes 107 barcos de arrasto de profundidade, que só geram 0,95% do emprego" no setor, acrescentou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.