Fórum Alternativo da Água denuncia as grandes represas

Associações ecologistas criticaram a construção da represa de Jirau sobre o rio Madeira

AFP |

AFP
O ato no centro de Marselha foi organizado por ocasião do "Dia mundial dos rios e contra as represas"
O Fórum Alternativo Mundial da Água (FAME) começou nesta quarta-feira (14) em Marselha com um pedido de gestão pública da água, após os protestos contra a construção de grandes represas, como a de Jirau no Brasil, que consideram "nefastas" para as populações locais e o planeta.

Simulando um rio que representa a vida e uma grande represa inflável que inunda as terras e mata a população e o gado, uma centena de ativistas denunciou a construção de represas em um ato na estação central de metrô de Marselha, sul da França.

Os militantes das associações Ecologistas em Ação e Engenharia Sem Fronteiras explicaram que pretendiam chamar a atenção "sobre o impacto social e no ecossistema da construção de grandes reservatórios, como os que estão projetados na Patagônia chilena".

Estas represas "são projetos extremamente caros, que inundam grandes extensões de terras cultivadas e bosques e significam a destruição irreversível de aldeias inteiras e dos meios de subsistência de milhares de pessoas", explicou à AFP a espanhola Lidia Serrano.

"Além disso, não são projetos 'verdes', como dizem seus promotores, mas aceleram as mudanças climáticas", acrescentou a ativista que participou do protesto, no qual militantes agitavam cartazes onde era possível ler: "A água, como a vida, não é uma mercadoria".

Leia mais:
ONU alerta sobre ameaça de falta de abastecimento de água
Fórum Mundial da Água começa em Marselha de olho na Rio+20
Agricultura usa 92% da água doce do planeta
Entenda o que é a Pegada hídrica

O ato no centro de Marselha foi organizado por ocasião do "Dia mundial dos rios e contra as represas", proclamado pela organização Amigos da Terra, e para coincidir com a abertura do Fórum Alternativo Mundial da Água, que reúne a sociedade civil com a meta de "debater e construir alternativas que deem soluções à crise da água".

As associações ecologistas denunciaram que a represa de Jirau, que está sendo construída pela GDF Suez (da qual o Estado francês é acionista em 36%) sobre o rio Madeira no Brasil, é um projeto "colossal, que ameaça várias comunidades locais e seus meios de subsistência".

"Em vez disso, existem outras técnicas que permitem produzir uma energia que responda às necessidades da população, como a energia solar térmica, geotérmica, eólica", afirma a associação "Apenas um planeta", presente em Marselha para o Fórum Alternativo da Água.

Por isso, os ecologistas convocam as grandes instituições financeiras multilaterais, como o Banco Europeu de Investimento, a "reorientar seus investimentos em direção a alternativas que respeitem mais as pessoas e os ecossistemas", em vez de "financiar grandes represas cuja produção está destinada, sobretudo, a fins industriais".

O FAME, que será concluído no sábado, é realizado em paralelo ao Fórum Mundial da Água, onde participam, sobretudo, responsáveis governamentais e grandes empresas da água, assim como profissionais e cientistas, para discutir uma melhor repartição e gestão.

As metas definidas pelo Fórum Alternativo da Água é "avançar na implementação do direito humano à água em nível nacional e regional", propor "formas públicas na gestão da água, contrapondo-se à privatização da gestão da água proposta pelo Fórum oficial", e "propor uma transição em direção a outro modelo de desenvolvimento".

    Leia tudo sobre: águarepresafórum mundial da água

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG