Flórida pode perder US$ 2 bi e 35 mil empregos por causa de vazamento, diz economista

Prejuízo atinge praias que permaneceram limpas após o vazamento

BBC Brasil |

selo

O vazamento de petróleo no Golfo do México poderá custar à economia da Flórida a perda de US$ 2 bilhões e de 35 mil empregos, segundo o economista Sean Snaith, professor da Universidade de Central Florida, em Orlando. O cálculo de Snaith leva em conta apenas o impacto sobre os setores de hotelaria, alimentação e entretenimento.

Desde 20 de abril, quando uma plataforma operada pela petroleira britânica BP explodiu e afundou no Golfo do México, dando início ao vazamento e ao pior desastre ambiental da história americana, a região vem sofrendo com a falta de turistas.

O prejuízo não atinge somente áreas que foram afetadas pela mancha de petróleo, como Pensacola, mas também praias que permaneceram limpas, como Panama City. "Algumas cidades vão sentir o impacto por associação, mesmo sem a presença de petróleo", disse Snaith à BBC Brasil.

Alta temporada

O vazamento na Costa do Golfo do México atinge a região chamada de Panhandle da Flórida, no oeste do Estado, na divisa com a Geórgia e o Alabama. Ao contrário do sul da Flórida, que tem sua alta estação no inverno do hemisfério norte (dezembro a março), o Panhandle tem sua alta temporada durante o verão (junho a setembro), exatamente o período em que o temor do vazamento acabou afastando os turistas.

Além dos negócios ligados ao turismo, os prejuízos se espalham por outros setores, como pesca, aluguel de barcos e aulas de mergulho. "A Flórida estava tentando sair do impacto da recessão. Esta era a temporada em que a economia ia se recuperar. Mas então ocorreu o vazamento", diz Snaith.

Cenários

Os números, porém, são mais positivos do que inicialmente previsto pelo economista. Em junho, quando o fluxo de petróleo do poço danificado ainda não tinha sido interrompido, Snaith chegou a prever a perda de 196 mil empregos nos setores de lazer e hospedagem - mais de cinco vezes a previsão atual. Se aquele cenário mais pessimista traçado por Snaith tivesse se concretizado, a perda na economia da Flórida chegaria a US$ 10,9 bilhões.

Quando os engenheiros finalmente conseguiram vedar o poço de petróleo e interromper o vazamento, o economista revisou seus cálculos. No entanto, Snaith afirma que as previsões ainda podem ser modificadas e que o impacto do vazamento ainda não chegou ao fim. "Ainda estamos esperando para ver dados mais concretos", diz o economista.

    Leia tudo sobre: iGeconomiabpvazamentopetróleoprejuízo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG