EUA podem ser atingidos por grande furacão em 2011

Temporada de tempestades no Atlântico deste ano terá força acima da média, dizem cientistas

iG São Paulo |

A temporada de furacões no Atlântico Norte em 2011 terá tempestades com atividade acima da média, e há mais de 70% de probabilidade de pelo menos um grande furacão atingir a costa dos EUA, disseram meteorologistas da respeitada equipe da Universidade do Estado do Colorado, nesta quarta-feira.

No ano passado a temporada também foi movimentada, com altos níveis de atividade de furacões e tempestades, mas sem que nenhum deles chegasse à costa norte-americana.

A equipe de pesquisas do Colorado reduziu levemente uma previsão anterior, feita em dezembro de 2010, e afirmou que na estação que irá de 1º de junho a 30 de novembro haveria 16 tempestades fortes o bastante para receber um nome. Dessas, nove devem se transformar em furacões de categoria 3 ou mais, na escala de intensidade Saffir-Simpson, que vai de 1 a 5.

A previsão ficou, de modo geral, na mesma linha das elaboradas por outras instituições privadas para a temporada de 2011.

Em 2010, 19 tempestades foram fortes o suficiente para receber um nome, fazendo com que a temporada desse ano fosse a terceira mais ativa, depois de 1887 e 1995, segundo o Centro Nacional dos Furacões dos EUA. Dessas tempestades, 12 se tornaram furacões (o segundo período mais movimentado desde 1969). Houve cinco grandes furacões em 2010.

De acordo com a equipe do Colorado, há "72% de risco de que pelo menos um grande furacão toque a terra na costa dos EUA" em 2011.

"Basicamente, a razão pela qual a probabilidade sobe é que estamos falando de uma temporada de furacões bem acima da média", disse Philip Klotzbach, que chefia a equipe, junto com o meteorologista William Gray, famoso por suas pesquisas sobre previsões de furacões.

"Em geral, temporadas mais ativas tendem a fazer com que haja mais furacões chegando à terra", afirmou Klotzbach.

Para a equipe, há 47% de risco de um grande furacão tocar a terra ao longo da costa dos EUA na região do Golfo do México, onde estão grandes instalações de gás e petróleo.

Embora, surpreendentemente, nenhum deles tenha atingido a costa dos EUA durante a movimentada temporada de 2010, Klotzbach qualificou isso como algo excepcional e disse que a probabilidade desse acontecimento em um período de grande atividade é de somente "cerca de 3%".

(com informações da Reuters)

    Leia tudo sobre: meteorologiafuracões

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG