EUA abre caminho para perfuração da Shell no Oceano Ártico

Ambientalistas criticam decisão, afirmando que prospecção coloca em risco biodiversidade local

AFP |

© AP
Lontras sujas de óleo em 2008 do acidente do Exxon Valdez, que aconteceu em 1989: ecologistas temem prospecção de óleo no Alasca
O governo americano abriu o caminho para os planos da gigante do petróleo anglo-holandesa Shell de iniciar a perfuração de poços de exploração no Oceano Ártico a partir do próximo ano, uma decisão "indesculpável" para os ecologistas.

Ó Departamento do Interior dos Estados Unidos aprovou com condições a proposta da Shell para perfurar quatro poços de exploração em águas pouco profundas do Mar de Beaufort do Alasca (noroeste) a partir de julho de 2012, informou a Agência Nacional de Administração, Regulamentação e Aplicação de Energia Oceânica (BOEMRE na sigla em inglês) em um comunicado.

A aprovação definitiva requer que a Shell obtenha permissões de outras agências americanas, como a Agência de Proteção Ambiental, o Serviço de Pesca e Vida Silvestre e o Serviço Nacional de Pesca Marinha.

"Baseamos nossas decisões em relação à exploração energética e o desenvolvimento no Ártico na melhor informação científica disponível", disse o diretor da BOEMRE, Michael Bromwich.

A agência revisará as atividades da Shell para garantir que estas aconteçam "de maneira segura e ecologicamente responsável", disse.

A Shell recebeu a notícia com "otimismo cauteloso" sobre as perspectivas de negócio no Alasca.

Os ecologistas, no entanto, criticaram a decisão como "perigosa e decepcionante". Também destacaram que coloca em situação de risco ambiental a região remota, sua flora e fauna, além das comunidades nativas.

Uma declaração respaldada pelos grupos ambientalistas Centro para a Diversidade Biológica, Sierra Club e Alaska Wilderness League destaca que a medida ignora uma grande quantidade de inquietações apresentadas pelas mesmas agências americanas durante o catastrófico vazamento de petróleo da BP em 2010 no Golfo do México.

"A decisão da BOEMRE de desconsiderar a ciência e apostar com uma região que é crucial para as ameaçadas baleias da Groenlândia, focas, ursos polares e outra fauna marinha da qual dependem tanto as comunidades indígenas para sua subsistência é indesculpável", afirmou a advogada de Earthjustice, Holly Harris.

    Leia tudo sobre: petróleoártico

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG