Etanol vive 'crise de meia-idade' no Brasil, diz 'Economist'

Revista britânica afirma que vantagens ecológicas dão ao etanol da cana-de-açúcar potencial para se tornar uma indústria global

BBC Brasil |

selo

A edição desta semana da revista britânica The Economist traz uma reportagem sobre os desafios da produção de etanol no Brasil, em meio às eleições, ao foco na exploração de petróleo no pré-sal e ao que o setor da cana-de-açúcar considera serem falhas regulatórias do governo.

Intitulada "a crise de meia-idade do etanol", a reportagem diz que a cana abriu caminho para formar “o núcleo de um novo complexo agroindustrial e de energia renovável”, além de tornar o país o maior exportador da commodity.

Mas a Economist avalia que a indústria ainda está lutando para “transformar todos esses benefícios econômicos e ambientais em lucros confiáveis” e cita trocas de acusações entre o setor e o governo quanto a marcos regulatórios.

Desde que o Brasil aliviou os controles sobre o preço e a produção da cana, há duas décadas, sua colheita aumentou duas vezes e meia, segundo os cálculos da Economist , e o uso do etanol mais que dobrou desde 2002.

Meio ambiente
Por conta das vantagens ecológicas – sua produção libera muito menos emissões que a de petróleo ou de etanol de milho –, o “etanol da cana-de-açúcar tem o potencial para se tornar uma indústria global”, opina a Economist .

No entanto, enquanto o Brasil exporta 70% de sua produção de açúcar, 75% do etanol produzido no país destina-se ao mercado interno, principalmente em decorrência das práticas protecionistas de EUA e União Europeia.

Aumentar as exportações também requer grandes investimentos em infraestrutura, aponta a revista. “Até que o mercado global do etanol decole, os produtores brasileiros permanecerão incomodamente dependentes das vendas internas e da Petrobras (...), que é tanto sua maior compradora [ao misturar etanol na gasolina] quanto sua principal concorrente” no fornecimento de combustível ao público.

O setor da cana-de-açúcar se queixou à Economist que, enquanto o preço do etanol sobe e desce dependendo da demanda mundial pelo açúcar, o preço da gasolina no Brasil não se ajusta rapidamente a mudanças no preço do petróleo. Já membros do governo defendem que, para garantir um fornecimento estável, o etanol deveria ser regulado pela Agência Nacional do Petróleo.

O debate é ofuscado, segundo a revista, pelas novas descobertas de petróleo no Brasil e pela possível eleição de Dilma Rousseff à Presidência, “que acredita mais fortemente que [Luiz Inácio Lula da Silva] no planejamento estatal da indústria energética”, diz a Economist .

    Leia tudo sobre: energiaetanolmeio ambiente

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG