Estudo do Vaticano alerta para perigos do aquecimento global

Relatório divulgado pela Santa Sé alerta para necessidade urgente de reduzir emissão de gases do efeito estufa

iG São Paulo |

Um painel de cientistas designados pelo Vaticano informou o que especialistas em mudanças climáticas vêm alertando há anos: a Terra está ficando mais quente, as geleiras derretendo e são necessárias medidas urgentes para conter os danos.

Os cientistas alertaram para a urgente redução de dióxido de carbono, metano e outros poluentes que aquecem a atmosfera e também para a maior observação das geleiras para o maior controle de suas mudanças.

A Pontifícia Academia de Ciência, um painel consultivo do Vaticano, organizou uma conferência no último mês sobre causas e consequências da diminuição das geleiras. No relatório final, de 5 de maio e assinado por glaciologistas, cientistas climáticos, meteorologistas e químicos independentes, foi publicado no site do Vaticano nesta terça-feira (10).

“Nós pedimos a todas as nações que desenvolvam e implementem, sem demora, políticas eficientes e justas para a redução das causas e impactos das mudanças climáticas em comunidades e ecossistemas, incluindo geleiras e suas bacias hidrográficas, cientes de que todos nós habitamos a mesma casa”, afirma o relatório.

“Nós estamos empenhados em garantir que todos os habitantes deste planeta recebam além do pão de cada dia, ar fresco para respirar e água pura para beber. Estamos cientes de que se quisermos justiça e paz, temos de proteger o habitat que nos mantém vivos”.

O porta-voz do Vaticano, reverendo Federico Lombardi, disse que o documento é “importante”, mas não é uma peça-chave dos ensinamentos da igreja e apenas reflete as conclusões dos cientistas envolvidos.
Dito isso, ele observou o relatório é uma "significativa contribuição científica" que faz parte das preocupações do Papa Bento XVI que se manifestou sobre o assunto em encíclicas e declarações públicas.

Bento XVI tem sido apelidado de "papa verde" por causa de sua preocupação com o meio ambiente. Em 2008, o Vaticano instalou células fotovoltaicas no telhado de seu auditório principal. Um ano mais tarde, instalou uma unidade de refrigeração a base de energia solar para a cafeteria principal. O Vaticano também faz parte de um projeto de reflorestamento que visa compensar as suas emissões de CO 2 .

(Com informações da AP)

    Leia tudo sobre: vaticanoaquecimento global

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG