Estudo do Greenpeace detecta tóxicos em roupas de multinacionais

Pesquisa encontrou, em produtos da Adidas e Abercrombie & Fitch, substância que pode causar problemas hormonais

iG São Paulo |

Resíduos de produtos químicos perigosos tanto para o meio ambiente quanto para a saúde foram encontrados em produtos de 14 grandes marcas de roupa, denunciou nesta terça-feira (23) a organização ambientalista Greenpeace em seu relatório "Roupa suja 2".

Segundo comunicado da organização ambiental, a pesquisa - parte da campanha do Greenpeace contra as más práticas na fabricação têxtil - encontrou em dois terços dos 78 produtos estudados em lojas de 18 países a substância nonilfenol etoxilado (NPE), proibida na União Europeia (UE) e com fortes restrições na China.

Os produtos achados com NPE foram fabricados e comercializados por 14 marcas de destaque no setor, entre elas Adidas, Uniqlo, Calvin Klein, H&M, Abercrombie & Fitch, Lacoste, Converse e Ralph Lauren, ressaltou o Greenpeace. As substâncias podem causar problemas hormonais.

AFP
A ativista do Greenpeace Li Yifang mostra exemplos de roupas com a substância tóxica o nonilfenol etoxilado
O ativista do Greenpeace Li Yifang disse que o nonilfenol etoxilado, comumente usado em detergentes industriais e na produção de têxteis naturais e sintéticos, foi detectado em dois terços das amostras analisadas.

"O nonilfenol etoxilado tem propriedades tóxicas, persistentes, e causa transtornos hormonais", disse Li à imprensa, em Pequim.

"Ele mimetiza os hormônios femininos, altera o desenvolvimento sexual e afeta os sistemas reprodutivos", assegurou.

Aos componentes deste produto químico se deve a estendida "feminização" de peixes machos em partes da Europa, bem como transtornos hormonais em alguns mamíferos, segundo a WWF, outra organização protetora da biodiversidade.

O estudo corrobora os resultados de uma pesquisa anterior apresentada em julho, onde foram encontrados vestígios de nonilfenol e PFC (outra substância proibida na UE) em águas residuais junto a duas fábricas chinesas que suprem muitas multinacionais do setor têxtil.

Segundo o Greenpeace "o uso e vazamento de químicos perigosos é um problema muito difundido e onipresente". "Já não é só um problema para os países em desenvolvimento onde a roupa é fabricada. Dado que se liberam níveis residuais de NPE quando lavada, o problema se estendeu aos países onde seu uso é proibido", ressaltou Li Yifang, chefe de campanha do Greenpeace China.

Até mesmo em baixos níveis representam uma ameaça para o meio ambiente e para a saúde humana", disse Li.

"Não é só um problema para o desenvolvimento dos países onde é fabricada" a roupa. É que na lavagem, estas peças desprendem níveis residuais de nonilfenol etoxilado, o que afeta os países onde de fato seu uso é proibido, alertou.

O uso destes produtos químicos é restrito na Europa.

Por ocasião da divulgação do informe, ativistas do Greenpeace entraram em uma loja da Adidas em Hong Kong para pedir à marca que elimine o uso de produtos químicos perigosos em seus produtos e para que seus clientes potenciais pensem antes de comprar seus produtos.

A Adidas também esteve na mira do relatório anterior do Greenpeace, intitulado "Roupa suja", divulgado no mês passado, no qual acusou o fabricante de contaminar grandes rios da China com dejetos químicos.

Doze ativistas do Greenpeace vestidos com uniforme de árbitros de futebol entraram, em meio a apitaços, em uma das lojas mais movimentadas da Adidas, na cidade do sul da China.

Ali, distribuíram panfletos da campanha aos clientes e exibiram cartões amarelos para os funcionários da loja, pedindo à marca que "jogue limpo".

Oito amostras de água, coletadas nas duas fábricas situadas nos deltas dos rios Yangtzé e Pérola, contêm um "coquetel de substâncias químicas perigosas", alertou a ONG no relatório do mês passado.

Nike e Puma, outras grandes marcas de roupa esportiva, asseguraram desde então que eliminarão o uso de agentes químicos tóxicos de seus produtos até 2020, mas a Adidas não o fez, segundo a porta-voz do Greenpeace, Vivien Yau.

A Adidas Hong Kong não respondeu aos telefonemas para fazer comentários.

Mas a empresa havia dito anteriormente que utiliza o grupo Youngor, um dos fabricantes acusados, apenas para cortar e costurar as peças, e não para fabricá-las, embora tenha pedido a Youngor que investigue as denúncias do Greenpeace.

A companhia acrescentou, ainda, que tem uma política de evitar substâncias perigosas.

No entanto, Yau disse que como segunda maior marca de roupas esportivas, a "Adidas tem a obrigação de desintoxicar sua cadeia de fornecimento mundial".

"Até agora, a marca não fez nada, apesar das nossas demandas repetidas, o que realmente é inaceitável", destacou.

O Greenpeace realiza nesses meses uma campanha mundial contra o uso de materiais tóxicos por parte das grandes multinacionais do setor têxtil, com atos de protesto que incluíram um "striptease mundial" em 14 países.

(Com informações da EFE e da AFP)

    Leia tudo sobre: meio ambientegreenpeace

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG