Estudo confirma estimativa do governo americano sobre vazamento

De acordo com cálculos de pesquisadores independentes, derramamento de petróleo no Golfo foi de cerca de 700 milhões de litros

iG São Paulo |

AFP
Banhista observa onda com petróleo em 26 de junho em Orange Beach, Alabama
Um estudo científico independente finalmente conseguiu estipular quanto de petróleo foi derramado no Golfo do México. Aproximadamente 700 milhões de litros foram derramados do poço danificado da BP, de acordo com estudo de dois pesquisadores da Universidade de Columbia que fizeram suas estimativas baseadas em vídeos que mostravam o petróleo sendo jorrado. O estudo foi publicado na edição de hoje da revista científica Science .

O valor estipulado pelo governo americano era pouco mais de 651 milhões de litros. A diferença entre os dois números é de 49 milhões de galões de petróleo a mais que foram lançados no Golfo do México. No entanto, como é muito difícil obter uma estimativa precisa, os números dos dois estudos estão em acordo, levando em conta a alta margem de erro.

A margem de erro do estudo da Columbia é de 20%, o que confere um derramamento entre 560 milhões e 840 milhões de litros. A estimativa governamental tem 10 % de margem de erro, algo entre 586 milhões e 715 milhões de litros.

A diretora do órgão americano de inspeção geológica, Márcia McNutt, que supervisionou as estimativas do governo, afirmou que o estudo da Columbia é “uma verificação totalmente independente e imparcial dos resultados do governo".

Embora os números estejam em concordância, Tim Crone, que liderou o estudo da Universidade americana, disse confiar mais em sua estimativa, tendo em vista que ela passou por uma revisão rigorosa e independente como todo estudo que é publicado em periódicos científicos. Ele também afirmou ser difícil comparar seus resultados com os dados do governo, pois “alguns detalhes sobre os métodos usados não foram divulgados”.

Normalmente, os cientistas calculam o montante do vazamento a partir da velocidade com que o fluxo das partículas é lançado. Porém, no caso do derramamento do Golfo do México, as partículas eram difíceis de analisar, de modo que Crone usou outra técnica já usada há 10 anos de estudos: ele estudou pontos específicos do vídeo e assistiu a alteração de cor e textura. Para este estudo, ele inspecionou o vídeo de duas datas, 15 de maio e 3 de julho.

Inicialmente, o governo adotou as estimativas da BP de apenas 159 mil litros jorrados por dia, sendo depois aumentado para 795 mil litros. Foi então, o governo criou uma equipe especial de peritos para estimar a quantidade de petróleo lançado, que o grupo surgiu com uma série de estimativas que foram criticadas por cientistas independentes.

Finalmente, em meados de junho, cerca de dois meses após o acidente da plataforma, o governo americano disse que o poço poderia estar perdendo mais de 9 milhões de litros por dia. E em agosto, após o fim do vazamento, os cientistas do governo estipularam o derramamento de 652 milhões de litros.

(Com informações da AP)

    Leia tudo sobre: vazamentoBPGolfo do méxicopetróleomeio ambiente

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG