Estudo aponta corais como prova da mudança em correntes marítimas

Alteração na intensidade de correntes do Atlântico é única em 1.800 anos e pode ter relação direta com o aquecimento global

AFP |

Getty Images
Cientistas analisaram a estrutura dos corais que se alimentam de partículas orgânicas trazidas pelas correntes
A prova de uma mudança "radical" nas correntes oceânicas do Atlântico, que começou no início dos anos 70, pode ter sido encontrada nos corais, informaram cientistas nesta terça-feira (4), preocupados com as consequências climáticas.

Bioquímicos e oceanógrafos da Suíça, Canadá e Estados Unidos puderam observar que a corrente oceânica fria do Labrador, que desce ao longo da Costa Oeste dos Estados Unidos, perdeu sua influência para a corrente quente do Golfo, que vai em direção ao norte.

Esta mudança começou no "início dos anos 1970" e "é única nos últimos 1.800 anos", escreveram os cientistas no jornal da Academia Americana de Ciências (PNAS, em inglês).

Durante 2 mil anos, a Labrador foi mais forte do que a do Golfo, contou Carsten Schubert, do Instituto de Pesquisa da Água das Escolas Politécnicas Federais (Eawag).

"Agora, a corrente do sul está no topo, é verdadeiramente uma mudança radical", declarou.

Para chegar a esta conclusão, os cientistas estudaram a assinatura isotópica do nitrogênio dos recifes de coral, que se alimentam de partículas orgânicas trazidas pelas correntes, analisando o crescimento de seus anéis coloridos em 700 anos.

As águas da corrente do Golfo são salgadas e ricas em partículas orgânicas, enquanto que as águas árticas da corrente do Labrador são pobres em alimentos para os corais.

Os pesquisadores acreditam ainda que "existe uma relação direta entre as variações de correntes oceânicas no Atlântico Norte e o aquecimento global causado pelas atividades humanas", advertiu a Eawag, em comunicado.

Essas correntes possuem um papel importante no clima mundial, já que estão ligadas a uma oscilação do Atlântico, que é chamada pela sigla AMO (Atlantic multidecadal oscillation).

A AMO é uma variação cíclica em grande escala da corrente atmosférica e oceânica no Atlântico Norte que aumenta e baixa alternativamente a temperatura da superfície do oceano e traz efeitos para as condições meteorológicas na Europa e nos Estados Unidos.

    Leia tudo sobre: correntes marítimasoceanosrecifeaquecimento global

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG