ESA confirma que ozônio atingiu nível mínimo histórico

De acordo com agência espacial europeia, a situação é a consequência da presença de ventos fortes na região

EFE |

A Agência Espacial Europeia (ESA) confirmou nesta terça-feira (5) que o nível da camada de ozônio no Polo Norte atingiu seu nível mínimo histórico, como antecipou ontem o Centro Nacional de Pesquisas Científicas francês (CNRS).

O satélite Envisat da ESA registrou um mínimo histórico no nível de ozônio sobre o setor Euro-Atlântico do hemisfério norte durante o mês de março, disse a agência, com sede em Paris.

Ontem, o CNRS havia anunciado uma diminuição de 40% da camada em uma "zona extensa", fenômeno nunca antes observado, justificando-o por "um inverno estratosférico muito frio e persistente".

Segundo a ESA, esta situação é a consequência da presença de ventos fortes na região, que provocaram temperaturas muito baixas.

Em contato com os clorofluorcarbonos (CFC), essas massas de ar provocaram uma deterioração do ozônio.

"As moléculas de ozônio continuarão a ser destruídas nas próximas décadas, sobretudo durante os invernos árticos especialmente frios", disse a ESA.

A camada de ozônio protege a atmosfera terrestre a cerca de 25 km de altura e filtra a radiação solar, eliminando grande parte dos raios ultravioleta.

    Leia tudo sobre: ozôniopolo norteaquecimento global

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG